sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

DO LIVRO "A PRAIA DA PIPA DOS MEUS AVÓS -

Saudosas lembranças II

Comecei a veranear na Pipa ainda na barriga da minha mãe, assim como todos os meus irmãos. Meus filhos trilharam o mesmo caminho, e também meu neto. É uma relação muito íntima que temos com aquele pedaço de chão. A família Barbalho/Simonetti iniciou os veraneios na Pipa no ano de 1926, três anos depois do nascimento da minha mãe, hoje com 86 anos de idade.
Como o veraneio acontecia somente no mês de janeiro, passávamos o ano inteiro esperando este acontecimento. Contávamos os dias, as semanas, os meses... E quando chegavam as férias do final do ano, a ansiedade era tanta que, por muitas vezes, perdia o sono e só adormecia quando era vencido pelo cansaço. Eu não via a hora de subir no caminhão para fazer aquela tão desejada viagem.

Na década de 60, já era possível contar com a modernidade e o conforto dos caminhões. Nossos pais viajavam na boleia enquanto os filhos e empregados acomodavam-se em cima da bagagem. Dentre toda a tralha que era levada, não faltavam cadeiras e colchões feitos com palha ou junco, para acomodar a todos.
As famílias que moravam em Natal saíam muito cedo e enfrentavam pelo menos 60 quilômetros de estrada de chão, pouco conservada, até a cidade de Goianinha. Eram horas sacudindo na carroceria do velho Dodge até avistar a Usina Estivas. De cima da ladeira, podia-se ver ao longe a bela cidade e compreender a exclamação encantada e justa do Dr. Alfredo de Araújo Cunha (1861-1929), que olhando o casario branco da cidadezinha clara disse: “Goianinha, Pátria de Anjos!”.

Depois de descer a ladeira com dificuldade, alcançávamos o vale e, a partir dali mais três quilômetros depois, entrávamos triunfantes na cidade. Estava vencida a primeira etapa da estafante viagem.Uma parada “estratégica” na casa de meu avô Odilon Barbalho, e o almoço estava garantido. Daí por diante começava o trecho mais complicado e sofrido da viagem. Era comum os velhos caminhões, após certa jornada, pararem por aquecimento no motor, mas nada que não fosse resolvido com uma boa lata d’água no radiador e logo já estavam de volta à estrada. Continuava a viagem como se nada tivesse acontecido. Não havia possibilidade de fazer toda aquela viagem sem dar um “prego”. Se não acontecia no trecho vencido entre Natal e Goianinha, podia contar que, até a
Pipa, não havia reza forte que fizesse chegar ao destino sem o famoso “prego”.

Não se esperava nem o sol esfriar, pois esse trecho era mais deserto e, se por acaso houvesse algum imprevisto no caminho, tinha-se tempo para realizar o conserto e chegar ao destino antes do anoitecer. Até o distrito de Piau, a viagem seguia sem maiores problemas. Depois que entrávamos nos “tabuleiros”, a estrada se tornava ainda mais precária. Geralmente essa estrada era utilizada somente por animais de carga e pessoas que faziam a pé o caminho entre Piau e Pipa. Por ser rara a passagem de carros, não havia nenhuma manutenção. Em determinados trechos a vegetação lateral era praticamente aberta pelo para-choque do caminhão, e acima de nossas cabeças as árvores se fechavam totalmente, formando um túnel de galhos e folhas. De tão próximos, era possível apanhar de cima da carroceria do caminhão, cajus, mangabas e outras frutinhas muçambê.

Havia dois pontos que eram temidos pelos motoristas, por causa de sua difícil transposição: a ladeira do Rio Galhardo e a ladeira do Sanharão. Na primeira, além da dificuldade de vencer a subida de areias frouxas, ainda tinha o problema do rio que, embora raso, impedia que o caminhão tomasse alguma velocidade. Nesses dois pontos descíamos todos, e a ladeira era vencida a pé. Ficavam somente o motorista e o “calunga” – alcunha do ajudante, que, de cepo na mão e em constante sintonia com o motorista, fazia, metro a metro, o veículo vencer, ladeira acima, as terríveis areias daquele trecho. O cepo era uma peça de madeira com uns 50cm de comprimento por uns 20cm de altura, que se colocava atrás das rodas traseiras do caminhão, impedindo que ele descesse após alguns metros de subida. Nunca esqueci os gritos ofegantes do motorista: “Bota o cepo”, e, pouco depois... “Tira o cepo”.

Sempre que o caminhão vencia um pouco a areia, era colocado o tal cepo para que ele não retornasse. Depois de algum descanso, lá se ia mais uma tentativa. Vencidos alguns metros de areia, novamente o cepo era colocado, era assim até que se chegássemos ao topo.

Na ladeira do Sanharão, acontecia a mesma coisa, porém com mais dificuldade, pois além do percurso ser maior, havia uma curva na metade da ladeira, que dificultava a subida. E, depois de praticamente um dia inteiro de viagem, chegávamos ao nosso destino.

Até o final da década de 70 não existia energia elétrica na Pipa. A iluminação das casas era feita com as lâmpadas a querosene. As marcas Coleman e Aladim eram as mais conhecidas. O querosene utilizado era o nosso velho Esso Jacaré. Essas lâmpadas eram o que havia de mais moderno. Durante as refeições noturnas ficavam nas salas de jantar e posteriormente eram transferidas para os alpendres, onde as famílias se reuniam para conversar amenidades ou mesmo jogar um carteado à base de sete e meio, buraco, pif-paf ou relancim.

Os candeeiros, lamparinas e lampiões eram usados na iluminação dos quartos, cozinhas e banheiros. Os mais afortunados possuíam geladeira também a querosene e tempos depois apareceram as mais modernas que funcionavam com botijão de gás.

Depois de um ano inteiro sem uso, as lâmpadas geralmente apresentavam algum problema de funcionamento e, nessa ocasião, entrava em cena tio Venício, irmão da minha mãe, especialista no conserto dessas lâmpadas. De óculos na ponta do nariz e sempre mastigando a língua no lado da boca – não havia defeito que ele não arrumasse. Depois de alguns minutos de trabalho e da colocação de uma camisa nova, era só dar algumas bombadas de ar e lá estavam à disposição 500 velas de boa iluminação.

Essas lâmpadas também eram utilizadas para iluminar os banhos noturnos. Quando isso acontecia, era preparada uma quantidade de “caipirinha” feita com a boa cachaça trazida dos engenhos de Goianinha, limão, açúcar e gelo. Este último era conseguido a duras penas nas velhas geladeiras; sempre ficava a desejar. Era tudo levado para a beira da praia, juntamente com os tira-gostos – “paredes”, previamente preparados pelas mulheres.

As lâmpadas eram colocadas suspensas em um “garajal” – tripé feito de madeira, que os nativos subiam para martelar as estacas dos currais de peixe – e a diante, quando a “marvada” começava a fazer efeito, os adultos ficavam mais relaxados. Era a ocasião pela qual nós adolescentes esperávamos. Aproveitando algum descuido dos nossos pais, também tomávamos um pouco daquela bebida maravilhosa que nos deixava alegres e risonhos.
Pela manhã, nós jovens nos reuníamos em algum daqueles alpendres para jogar conversa fora. Nós todos éramos parentes, e alguns, por morar em outros estados, só se encontravam durante o mês de janeiro, no veraneio da Pipa. Essa ocasião era esperada por todos com muita ansiedade. Como não ter saudade dessas coisas simples? De um tempo feliz de nossas vidas, que sabemos, nunca mais voltará.

Natal, outubro de 2009.

ACTA DIURNA - DENDÉ ARCOVERDE - PARTE II

De estatura acima da mediana, robusto e bem conformado, Dendé Arcoverde tinha os ombros amplos e o torax saliente. Dispunha de fôrça incrível, cavaleiro emérito e ati­rador maravilhoso. Pulava agilmente uma janela, de costas. A barba negra curta, rente a face vermelho-clara, fazia res­saltar a dentadura perfeita, branca como côco ralado. A voz é alta, estertórica, audível a distâncias que as lendas multi­plicam. Os olhos rasgados, enormes, negros e luminosos, faiscavam de irritação contínua. A esclerótíca, raiada de san­gue, é um distintivo que transmitiu aos seus bastardos.

Morou sempre em Cunhaú onde tinha uma "parte" .herdada de sua Mãe, cujo inventário é de 1846. Só arrendou as "partes" de seu tio, o Capitão-Mór André "de Estivas" e de seu primo, o Comendador André d'Albuquerque Maranhão, ·"de Itapecerica", em 1851. Cunhaú estava no centro das suas terras. Englobavam-se nelas a "usina Maranhão", "Bom Pas­sar", "Torre", "Antônio Freire", "Areré", "Mangueira", "Cruzeiro", "Estrela". Tudo era Cunhaú, até a extensão verdejante do "sítio Estrela" se incluía na denominação do engenho tra­dicional. Derredor dessa região rodava o Mêdo ...

Criminoso que tocasse, ao menos tocasse, uma estaca de Cunhaú, estava valido. Não havia "força do Governo" que se atrevesse a perseguí-lo. A casa-grande ficava circundada de choupanas onde se acoitavam os "fora da lei", fanáticos pelo brigadeiro, sombras do seu braço.

Depois do jantar, até ás trindades, o Brigadeiro, todo ­vestido de branco, passeava ao escurecer na calçada imensa da residência. Quem tinha negócio e não era pessôa de merecimento, alinhava-se, junto aos outros pretendentes, espe­rando que um olhar casual do Brigadeiro pousasse nele. Nin­guém ousava dirigir-lhe a palavra e sim responder. Mas, fosse como fosse, não deixavam de ter negócio e "trato" com ele. Não perdoava dívidas nem ficava devendo.
Foi o vingador de André d'Albuquerque, seu tio, assassinado em abril de 1817. Voltando d'Europa e sabendo mínuciosamente a morte do parente, inqueriu da vida do matador. Disseram que uma tentativa a tiro havia falhado. Dendé reprovou a técnica.

- Qual tiro! Tiro faz barulho e assombra a caca. Vamos á faca. É silencioso e seguro.
Procurou informar-se. Apontararm vários nomes como responsáveis João Álvares do Quental esporeára o cadáver. Francisco Felipe da Fonseca Pinto, o alfaiate Costa Bandeira. Falaram no tenente-coronel Antônio José Leite do Pinho.

- Eu não quero saber dos outros acusados. Ferissem ou não, certamente ficaram com medo da vingança. O que eu desejo saber é quem pregou uma medalha no peito e cercou as ,mangas de galões por ter assassinado um Cunhauzeiro. Quem aproveitou do crime é que é o principal criminoso.
Mandou um negro e um caboclo matarem á faca o coronel Leite do Pinho. Entregou-lhes facas de prata, dizem que envenenadas. Prometeu que nunca mais teriam necessidade de cousa alguma se trouxessem as orêlhas do coronel.

Os dois mandatários espreitaram Leite do Pinho durante horas.
Numa tarde de procissão terminada a cerimônia, o coronel deitou-se num tapete diante da casa, na atual Praça 7 de Setembro, em Natal, tomando fresco, e brincando com um neto. Os dois enviados de Cunhaú caíram sobre ele numa luta feroz e rápida. Não lhe poderam cortar a orêlha mas deixaram as facas enterradas no ferido, e fugiram. Leite do Pinho faleceu na madrugada de 15 de março de 1834.

Dendé recompensou seriamente aos dois asseclas Mandou sepultar o negro, vivo, perto da Casa-Grande de Cunhaú, e plantou um coqueiro em cima do túmulo. O caboclo foi em­palado na Mata das Varas e o corpo mumificado, até poucos anos espavoria os lenhadores. Cumprira a promessa. Caboclo e negro nunca mais tiveram necessidade de cousa alguma . . .
É façanha mais antiga de Dendé, sua "entrada" solene no memorial truculento em que é recordado ...

Ignoro a origem do seu tratamento de "Brigadeiro" De­balde, a meu pedido, o saudoso general Luíz Sombra rebuscou arquivos militares no Rio de Janeiro. Não há o menor vestí­gio de razão nesse título altissonante correspondente ao nos­so "General de Brigada". Mas "Brigadeiro" é como Dendé Ar­coverde é citado em toda região de seu prestigioso renome. Substitui quase o nome. Dizem, comumente "o Brigadeiro", e já se sabe que a evocação se refere ao impetuoso senhor de Cunhaú. De onde, e porque lhe veio o tratamento militar, quaís os serviços para merecê-la, em que época recebeu a mercê honorária, não sei. Não foi possível, apesar das pesquisas, saber.



Arma encontra-se no Instituto Hostórico e Geogrpafico do RN.


(Esta arma pretenceu ao negro Simplício, apelidado de "Cobra Verde", homem de confiança do "Brigadeiro"Dendé Arcoverde, impetuoso senhor de Cunhaú(1830). Era um atirador perfeito. Não errando um tiro. Sua espingarda foi batizada por "meio berro" porque matara uma novilha antes do animal acabar o berro iniciado)


O homem de confiança do Brigadeiro Dendé Arcoverde era o negro Simplício, conhecido por "Cobra Verde", alto, magro, sério como um ídolo, e agil como o vento. Era o melhor atirador dos arredores e nunca errou um tiro. Sua ar­ma especial era uma carabina Minié batizada por "Meio berro", porque matara uma novilha antes do. animal acabar o berro iniciado. Um bastardo de Dendé, Afonso Arcoverde, presenteou a arma ao Cel. Felipe Ferreíra, de "Mangabeira" e este ofereceu-m'a. Dei-a ao Instituto Histórico do Rio Gran­de do Norte, onde se encontra.


(Ormuz Simonetti segura a carabina "meio berro" no IHGRN)


O negro Simplício depois da morte do Brigadeiro, dei­xou a Província e se instalou numa casa que erguera no meio do mato, como um bicho saudoso da solidão e do mistério. Não admitia visitas e andava sempre armado. Jamais falava no nome do amo, a quem adorava. Morreu no dia do Natal de 1896, quando completava cem anos, data predita por ele como sendo de sua morte. Está sepultado em Mataraca, na Paraíba.


(Capela onde foi enterrado André de Albuquerque Maranhão Arcoverde)


(08.05.1941)

-Continua . . .

sábado, 24 de dezembro de 2011

Do livro “A PRAIA DA PIPA DOS MEUS AVÓS”

SAUDOSOS VERANISTAS



Maurínio Sena



No dia 07 de fevereiro de 1981 foi feito o primeiro teste de energia elétrica na praia da Pipa. Logo em seguida, todos os veranistas se apressaram para instalar em cacimbas já existentes ou em poços artesianos previamente cavados, bombas elétricas para abastecer as caixas d’água. Esse abastecimento, até então era feito com muito sacrifício à custa de horas a fio, “exercitando-se” nas antigas e pesadas bombas manuais “Morumbi”, que na época eram o que de melhor existia no mercado.













Bomba Morumbi



Para se conseguir pouco mais de 1.000 litros d’água, era preciso muito suor e alguns calos nas mãos. Essa tarefa era delegada aos homens da casa, já que as mulheres se encarregavam apenas de gastar o precioso líquido em suas atividades domésticas. E como quem recebe “de graça” não se preocupa em gastar, nossas mãos viviam cheias de calos. Foi nessa época que eu, juntamente com os saudosos Múcio Barbalho e Evilásio de Souza Lima, especializamo-nos na instalação desses equipamentos. Esse serviço, embora gratuito, era executado com todo profissionalismo da equipe, que sempre dava um jeito de receber pelo “serviço prestado” de uma forma, digamos, mais sutil. Os serviços eram agendados sempre para os fins de semana. Começávamos lá pelas 10 horas da manhã, para que, calculadamente, pudéssemos chegar e atravessar com folga a hora do almoço. A única responsabilidade do dono da casa era de nos abastecer à vontade, durante a realização do serviço, com cerveja gelada, cachaça e tira-gostos, também chamados na época de parede.

Casa de Maurínio Sena.

Numa dessas ocasiões, a instalação da bomba foi na casa de Maurínio Sena. Como ele ainda não havia feito o poço, que na praia era conhecido como “poço tubular”, por ser feito com tubos de PVC, o equipamento seria instalado numa cacimba. Começamos o serviço na hora marcada e com pouco mais de hora e meia de trabalho o equipamento já estava pronto para funcionamento. Foi nesse instante que começou toda a malandragem, que nos era comum: alguém deu um jeito de afrouxar uma das conexões que ficavam longe das vistas dos curiosos e isso provocou a entrada de ar no sistema, impedindo seu funcionamento. Foi então feita uma pausa para o descanso que veio, como de costume, acompanhada das bebidas e dos petiscos.

Depois de várias horas de descanso, sempre alguém se oferecia para resolver o “problema”, mas nunca encontrava o tal defeito. Nesse dia especificamente, o problema só teve solução quando já escurecia e os técnicos, juntamente com outros participantes da farra, já bem “melados”, tinham devorado todo o tira-gosto disponível e já estavam tomando, como caldo, até mesmo a sopa que dona Lindalva, esposa de Maurínio, havia preparado para o jantar. E tudo isso com a devida cumplicidade do esposo, que era quem mais gostava dessas brincadeiras. Essa intimidade era comum entre nós.
Numa dessas farras na minha casa, Maurínio passava pela cozinha, retornando do banheiro, quando viu a mamadeira de leite que minha esposa tinha preparado para nossa primeira filha, hoje com 30 anos de idade. Não teve dúvidas, atacou a mamadeira e sem mesmo tirar o bico, tomou o mingau até o último gole, depois de mandar para dentro uma boa lapada de cana.


Começou a frequentar a Pipa nos anos cinquenta e se hospedava na casa de Arthur de Flora. Os veraneios começaram em 1978, logo após ter comprado a casa que pertencera a Francisquinho. A partir daquele ano, sempre passava os meses de janeiro e fevereiro veraneando com a família e só retornava a Natal, como a maioria dos veranistas, após o carnaval.


Maurínio Sena assina a ata da criação da Associação dos Veranistas da Praia da Pipa.

(Veneide, Ormuz, MAurínio, Evilásio, Dina e George)



Com seu jeito simples e amigável, conquistou logo a comunidade e também os veranistas. Como sua casa ficava em frente ao porto dos barcos, sempre aos finais de tarde lá estava ele em seu alpendre, rodeado de pescadores, que iam trocar dois dedos de prosa, enquanto aguardavam os botes que regressavam da pesca. Era esse relacionamento fraterno que mantinha com a comunidade, e que no fatídico dia 7 de fevereiro de 1994, dia de sua morte, presenciamos, emocionados – como a maior prova de amizade e gratidão dos nativos para com aquele que esteve sempre à disposição daquela comunidade.





Praia do Meio - Pipa RN


Inexplicavelmente, resolveu comemorar seu aniversário uma semana antes. Fez uma grande festa em sua casa e foi muito prestigiado com a presença de parentes e amigos. No outro dia, acordou mais cedo que de costume e não esperou pelo seu amigo e companheiro de caminhada, Edison Costa de Mello. Naquela manhã, resolveu caminhar sozinho. Seguiu no sentido da Pedra do Moleque e chegou até a praia das Minas, onde seu corpo foi encontrado por um grupo de turistas, que também fazia caminhada naquelas praias desertas, próximas à Praia de Sibaúma.




Praia das Minas - Pipa RN

Logo chegou a notícia na Pipa, e muitas pessoas da comunidade correram para o local. Eram homens, mulheres e até crianças que seguiam os pais, todos fizeram questão de ir ao local onde o corpo ainda se encontrava.
Depois que uma de suas filhas autorizou a remoção, os homens o puseram em uma rede e o conduziram, barreira acima, em terreno íngreme e de difícil caminhada, até a Pipa. O cortejo seguiu no mais completo silêncio, em respeito à dor dos familiares e amigos daquele que por tantos anos conviveu naquela comunidade, como se lá tivesse nascido. Tinha tantas mãos e ombros querendo ajudar naquela caminhada de volta para casa, que muitas vezes o pau da vela de um barco, que utilizaram para armar a rede onde conduziram o corpo, fora disputado por aqueles que seguiam o triste cortejo. Foi deveras emocionante essa demonstração de respeito e amizade. Várias pessoas na Pipa se ofereceram para trazê-lo de onde ele foi encontrado, em seu carro, percorrendo uma precária estrada que chegava próxima à Praia das Minas, o que foi prontamente recusado. Os amigos fizeram questão que o seu último retorno para casa fosse feito em seus ombros e braços. Queriam com essa atitude prestar a última homenagem ao amigo e companheiro que muito embora nascido em terras Pernambucanas, adotou aquele pedaço de chão como sendo a sua terra natal.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

ACTA DIURNA - DENDÊ ARCOVERDE PARTE I

Tenho a cópia desta PARTE I e mais a II e a III. Reli esta e vou aguardar a leitura das demais. Dendê Arcoverde foi o mandante do assasinato de meu bisavô Vicente Ferreira de Paiva que era pai de seu "desafete" Antônio Pereira de Brito Paiva (meu tio avô paterno). Na altura, 1842, meus ascendentes moravam no Engenho Tamatanduba, vizinho ao Cunhaú.
Fiz algumas postagens, sobre a SAGA de minha Família, em meu blog, "Da Cadeirinha de Arruar". Inclusive com fotos da Capela do Engenho Tamatanduba (em ruinas) e a Capela do Cunhaú onde os "SENHORES DO CUNHAÚ" foram enterrados, inclusive Dendê...

PS. Quem me enviou as cópias das Atas Diurnas, referentes a Dendê Arcoverde foi a neta de Câmara Cascudo, Daliana Cascudo. Cascudo correspondeu-se com meu pai, falando de Dendê Arcoverde e sua luta ferrenha com Brito Paiva.

Obrigada, Ormuz, pela partilha de tão importante
Um abraço.

Lúcia Bezerra de Paiva
Fortaleza - CE

POSSE NO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO

RECEBIMENTO DO TÍTULO DE SÓCIO EFETIVO DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO NORTE, A MAIS ANTIGA CASA DE CULTURA DO ESTADO, PELO SEU PRESIDENTE JURANDYR NAVARRO

domingo, 18 de dezembro de 2011

ACTA DIURNA - DENDÊ ARCOVERDE PARTE I

André d'Albuquerque Maranhão Arcoverde nasceu no engenho Cunhaú, freguesia de Nossa Senhora do Desterro de Vila Flor, termo de Goianinha, no ano de 1797. Era o segundo filho do tenente-coronel José Inácio d'Albuquerque Maranhão e de d. Luzia Antônia, irmã de André d'Albuquerque, o des¬graçado Chefe da revolução de 1817 no Rio Grande do Norte.

Teve a meninice tradicional dos meninos ricos, filhos de fidalgos, donos de engenhos. Correu a cavalo, saltou por¬teiras, armou arapucas, pulou os córregos, tomou banho no rio Piquiri, sesteou debaixo das sombras das velhas árvores, formou batalhão com os moleques da redondesa, esmurrou os primos, indigestou de bolo-preto e doce-seco, trepou aos coqueiros, assustou as matronas, dormiu cansado ...

O Pai, homem áustero e poucas falas, de manso trato e ameno viver, era governado pela mulher, dona Luzia Antô¬nia, enérgica e voluntariosa, chamada o' Homem da Família, de quem o filho herdaria a melhor parte de seu gênio impul¬sivo. Ao entrar na mocidade, José Inácio mandou Dendé, como todos os conheciam, para a Europa, aos estudos. Es¬tudar o que? Leis? Cânones? Medicina? Não se sabe. Portu¬gal era o viveiro onde se implumavam os borla-e-capêlo da época. Ignora-se o país onde Dendé Arco Verde fôra estu¬dar. D. Izabel Gondim afirma ter sido Paris. Alberto Mara¬nhão informa que a Alemanha. Creio em Portugal. Portugal era a Europa, para quase todos os aristocratas antigos.

Em 1817, estava na Europa quando a revolução estourou. Quando regressara ao Brasil? Não se sabe ainda. Suas notícias iniciais são de 1830. Voltando ao Cunhaú não trouxe diploma nem curso feito mas vinha com uma men¬talidade formada e concluída. Não há alteração dai em dian¬te nos seus modos e procedimentos. Há nele, a imutabilidade dos temperamentos decisivos.

É a mais estranha e sugestiva das figuras da Casa de Cumhaú. Em toda zona agreste do Rio Grande do Norte não há quem lhe desconheça o nome e não saiba uma sua faça¬nha. Quase oitenta anos depois de sua morte, ainda o Povo lhe cita o nome com respeito supersticioso. Indicam todos os recantos de sua morada, os caminhos percorridos, os crimes, a coragem, o arrojo irreprimível. Hoje, como há mais de meio século após seu passamento, todos os traba¬lhadores de dois municípios, só aludiam à sua pessoa, com um vagar amedrontado, dando, invariavelmente, o tratamen¬to oficial, "o Brigadeiro." E a voz cava estava traindo uma longa capitalização de obediência expontânea.

Dendé Arcoverde é um puro homem da Renascença, sem medo, sem pudor, sem respeito, sem supertição, despido de preconceitos, sem temer a Lei, nem ao Imperador, nem a Polícia, nem o Gabinete Ministerial, nem inimigos, vingan¬ças, ódios. Insensível, superior, desdenhoso, atrevido, inca¬paz de compreender os limites de sua vontade, ciente, inte¬gral que seu direito ia até as fronteiras de sua fôrça ele não tem remorsos nem piedades inferiores. Deliberando, exe¬cuta, com a precisão, a nitidez, a naturalidade de uma função normal. Tudo nele é natural, próprio, congênito. Diz o que quer, manda avisar a morte, intima que alguém deixe a casa e se mude, chibateia, surra, tortura, mata a punhal, a tiro, a veneno, comanda um exército de escravos ou pratica, sozinho, o ato, sem um arrepio na face, imóvel .e magnífica, como um autêntico barão feudal, um verdadeiro Herren-meister, pulso de ferro, coração de bronze, ao sol tropical do Brasil.

Tem, igualmente, conservadas, ciosamente, as virtudes de sua Raça. É faustoso, amante do cerimonial, generoso hos¬pedador, respeitando, como a um rito religioso, o próprio inimigo que se acolhesse à sua residência, dando, apenas, o número de dias bastantes para que se puzesse a salvamento da alcatéa que sacudiria em perseguição inexorável.

Não o podemos enquadrar dentro das regras da Moral e da Lei. Dendé Arcoverde é uma exceção, o Homem Forte instintivo, arrebatado, feroz, cavalheresco, impressionável, mag¬nífico de valentia, de atrevimento, de loucura pessoal. Não sofre um insulto. Não tolera um recalque. Não renuncia ao menor desejo. Veio, como Cezar Borgía, trazendo o "tuurumis¬mo", o Homem natural e vivendo pelas leis-das-homens. Como Cezar Borgia, desapareceu numa tragédia pequenina, inferior aos seus méritos reais de impulsão e de vontade.

(06.05.1940)

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

MONÓLOGO DO NATAL

PARA REFLEXÃO

Monólogo do Natal

Eu não gosto de você, Papai Noel!
Também não gosto desse seu papel de vender ilusões à burguesia.
Se os garotos humildes da cidade soubessem do seu ódio à humildade, jogavam pedra nessa fantasia.




















Você talvez nem se recorde mais.
Cresci depressa, me tornei rapaz, sem esquecer, no entanto, o que passou.
Fiz-lhe um bilhete, pedindo um presente e a noite inteira eu esperei, contente.
Chegou o sol e você não chegou.
Dias depois, meu pobre pai, cansado, trouxe um trenzinho feio, empoeirado, que me entregou com certa excitação.



















Fechou os olhos e balbuciou: “É pra você, Papai Noel mandou”.
E se esquivou, contendo a emoção.
Alegre e inocente nesse caso, eu pensei que meu bilhete com atraso, chegara às suas mãos, no fim do mês.
Limpei o trem, dei corda, ele partiu dando muitas voltas.
Meu pai me sorriu e me abraçou pela última vez.
O resto eu só pude compreender quando cresci e comecei a ver todas as coisas com realidade.









Meu pai chegou um dia e disse, a seco: “Onde é que está aquele seu brinquedo?
Eu vou trocar por outro, na cidade”.
Dei-lhe o trenzinho, quase a soluçar e, como quem não quer abandonar um mimo que nos deu, quem nos quer bem, disse medroso: “O senhor vai trocar ele?
Eu não quero outro brinquedo, eu quero aquele.
E por favor, não vá levar meu trem”.
Meu pai calou-se e pelo rosto veio descendo um pranto que, eu ainda creio,
tanto e tão santo, só Jesus chorou!
Bateu a porta com muito ruído, mamãe gritou; ele não deu ouvidos. Saiu correndo e nunca mais voltou.
Você, Papai Noel, me transformou num homem que a infância arruinou. Sem pai e sem brinquedos.

Afinal, dos seus presentes, não há um que sobre para a riqueza do menino pobre que sonha o ano inteiro com o Natal.
Meu pobre pai doente, mal vestido, para não me ver assim desiludido, comprou por qualquer preço uma ilusão e, num gesto nobre, humano e decisivo, foi longe pra trazer-me um lenitivo, roubando o trem do filho do patrão.
Pensei que viajara, no entanto, depois de grande, minha mãe, em prantos, contou-me que fora preso.
























E como réu, ninguém a absolvê-lo se atrevia.
Foi definhando, até que Deus, um dia, entrou na cela e o libertou pro céu.

Do alagoano Aldemar Paiva, poeta, cordelista, radialista e compositor).

SESSÃO SOLENE NA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO RN




Em Sessão Solene, presidida pelo Deputado Ricardo Motta, foi realizada ontem a homenagem ao transcurso dos 75 anos da Academia Norte-Riograndense de Letras - ANRL. A proposição partiu do Deputado Antônio Jácome e o "Plenário Deputado Clóvis Motta" viveu um dia de glória, com a presença de imortais, devidamente uniformizados com o pelerine e o colar acadêmicos e o pretígio de inúmeras entidades como a OAB/RN e ALEJURN, através do advogado Odúliko Botelho; a União Brasileira de Escritores do RN e a Academia Macaibense de Letras, através do escritor carlos Gomes; o Instituto Norte-Riograndense de Genealogia, na pessoa do seu Presidente Ormuz Simonetti, além dos Governos do Estado e Município de Natal, UFRN, TRE, TCE e outras entidades potiguares.

Os oradores apresentaram brilhantes discursos, a começar pelo propositor da homenagem, Deputado Antônio Jácome, seguido da Acadêmica Anna Maria Cascudo Barreto, também represedntando o Ludovicus - Instituto Câmara cascudo, que fez uma expressiva declamação em homenagem à ANRL; Acadêmico Juradyr Navarro, também representando o Instituto Histórico e Geográfico do RN, que traçou o perfil da Academia, desde a sua criação, até os dias presentes.

A sessão, iniciada com a execução do Hino Nacional Brasileiro, foi encerrada com a execução do Hino Oficial do Estado do Rio Grande do Norte.
A TV Assembléia registrou todo o evento, para a perpétua memória do acontecimento.
Tarde inesquecível. Parabéns à Academia e aos seus ilustres Acadêmicos.

(TRANSCRITO DO BLOG DE CARLOS GOMES)

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

DE VOLTA PARA O FUTURO

-IHGRN - PRESIDENTE EM EXERCÍCIO VAI EMPOSSAR NOVOS SÓCIOS E DIZ QUE PODE REALIZAR ELEIÇÕES PARA COMPOR NOVA DIRETORIA SE O TITULAR NÃO REASSUMIR

O INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO do Rio Grande (IHGRN) vai empossar oficialmente 24novos sócios na próxima sexta-feira. Trata-se da primeira medida tomada pelo presidente em exercício Jurandyr Navarro, que assumiu o cargo com o afastamento do titular, Enélio Lima Petrovich, que se recupera de um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Enélio Petrovich é o presidente do instituto desde 1963, quando foi eleito para o cargo. Navarro explica o motivo da longevidade desta gestão: "Na época da sua posse foi realizada uma reunião entre a diretoria e ficou decidido que seu cargo seria perpétuo", disse. “Assumi pela ordem natural dos fatores e principalmente para não deixar o Instituto acéfalo, mas esperamos que ele volte. Não cogito no momento assumir o cargo definitivamente em respeito à sua condição de saúde", complementa.

Não é a primeira vez que o IHGRN fica na mão de um presidente vitalício. Nestor dos Santos Lima, tio de Enélio Petrovich, também dirigiu a instituição até a data do seu falecimento, em 1959. Ficou no cargo por 32 anos, tendo assumido a função em 1927. Após seu mandato, Aldo Fernandes assumiu o cargo até o ano de 1963, quando Enélio Petrovich foi eleito.

Alguns dos novos sócios do IHGRN esperam pela solenidade de posse há mais de 20 anos. Questionado sobre os motivos da desta demora, Navarro desconversa: "Sinceramente não sei, esta é uma questão para se conversar com Enélio". Em seguida, porém, fez questão de ressaltar que, durante todo este tempo, o presidente do instituto procurou empossar os demais sócios, no entanto, seu estado de saúde e algumas complicações no espaço físico do prédio não viabilizaram a ação.
"Ele já havia, inclusive, marcado uma reunião para empossar os sócios mas o teto do Instituto estava prestes a desabar então nós tivemos que resolver este problema e isso tomou quase dois anos", justificou. "Vários objetos do (prédio) anexo tiveram que ser transferidos para o salão do Instituto e isso tomou ainda mais tempo da diretoria", reforçou. Apesar disso, em abril do ano passado o IHGRN empossou como sócia Daliana Cascudo.

O presidente do Instituto de Norte-Rio-Grandense de Geologia, Ormuz Barbalho Simonetti, que se tomou sócio do IHGRN em setembro de 2008, é um dos que espera ansiosamente pelo momento de ser empossado. Sobre o atraso na entrega do titulo, ele nada tem nada a criticar. "Pela situação do momento, com o estado de saúde delicado no qual se encontra o presidente, serão empossadas 24 pessoas de uma vez só, mas isso não é comum.O normal é empossar uma pessoa de cada vez", explica.

Pela quantidade de novos sócios a cerimônia que será realizada no próprio Instituto também não reprisará um momento tradicional no qual o empossado apresenta um trabalho temático. "Mas alguns, se quiserem, podem exigir depois uma solenidade individual com os demais integrantes do Instituto e então apresentar o seu trabalho", explica Ormuz, comentando também que ele provavelmente fará a sua. “Ainda não tenho certeza se vou apresentar, mas pretendo sim. Estou com o meu trabalho pronto, inclusive, com o tema Genealogia a Serviço da Humanidade", disse, acrescen-tando que a gestão temporária abriu espaço para que isso possa acontecer em 2012.
Sobre o cargo vitalício do presidente ele prefere não comenta, falando apenas que esta é uma "página virada".

Aproveitou, contudo, para sugerir mudanças na estrutu¬ra do Instituto, principalmente com relação ao horário de funcionamento. “Acho que de¬veria começar o quanto antes a funcional nos dois expedientes, porque hoje só abre pela manhã e muitos estudantes, que não podem pesquisar durante esse período, ficam se acesso ao acervo”, concluiu.

(Matéria publicada no NOVO JORNAL, edição de 03/12/2011 pelo jornalista Henrique Arruda)

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

DO LIVRO "A PRAIA DA PIPA DOS MEUS AVÓS"

Prezado Ormuz,
Embora à distância, tenho acompanhado a sua trajetória de sucesso nas letras.
Eu sou um potiguara longe da taba há mais de quatro décadas. Mas me deleito com as suas reminiscências da Praia de Pipa, apesar da minha praia de infância ter sido na direção oposta, ao Norte, a praia da Redinha. A travessia do Potengi, o mais belo rio do mundo, do Canto do Mangue com seus peixes e barcos a vela, da festa do cajú e das pinturas do N. Navarro nas paredes do Ridinha clube.
Travei contato com o seu blog depois do fato lamentável da morte, melhor, do encantamento do nosso amigo comum Bartolomeu Melo.
Mando-lhe minhas saudações pelo mais recente êxito no Instituto histórico e desejo-lhe mais sucessos. Aproveito e mando lembranças aos amigos e conhecidos comuns quais Pedro Vicente e Homero Costa.
Segue um convite, em anexo.

Abraços,
Natanael Sarmento.

domingo, 4 de dezembro de 2011

DO LIVRO "A PRAIA DA PIPA DOS MEUS AVÓS"

SAUDOSOS VERANISTAS

Cleto Gadelha do Espírito Santo

Como de costume, durante todo o verão, passo a maioria dos meus fins de semana na Praia da Pipa. A minha casa fica em uma posição bastante privilegiada, bem de frente para o mar. Acostumei-me a dormir e acordar embalado pelo gostoso e melódico barulho das ondas.



















Quando a maré está cheia, as vagas rebentam em um quebra-mar que fica na frente da casa, mas não impede as água de se projetarem terraço adentro. Já me acostumei com a impressionante proximidade de minha casa com o mar.




















Pois bem, foi numa dessas manhãs que acordei com uma saudade danada daqueles finados veranistas com quem tivemos a sorte de conviver por tanto tempo. Saudade daquelas brincadeiras que promovíamos, das pescarias, dos passeios a Sibaúma, do banho no Rio do Galhardo, enfim, de tudo que já não fazemos mais.

















EVILÁSIO E O POETA ANTÔNIO PEQUENO

No dia anterior, tinha assistido à missa de sétimo dia do meu amigo Evilásio de Souza Lima. Ela aconteceu na igreja do distrito de Piau. Lá, encontrei toda sua família, mas, infelizmente, quase nenhum amigo mais próximo. Fiquei analisando com que rapidez nos esquecemos dos nossos amigos e parentes que vão para o andar de cima. Muita gente no enterro, pouca gente na missa de sétimo dia, na missa de trinta dias praticamente só a esposa, os filhos e, quando muito, os netos. Na missa de um ano, quando a família resolve fazer, imaginem!




















E nesse saudoso dia seguinte à missa, comecei a me lembrar dos que já haviam nos deixado. Fiquei surpreso quando comecei a contar e percebi a quantidade de amigos nossos que até “ontem” estavam com a gente nos veraneios de janeiro.
Lembrei-me de Cleto Gadelha do Espírito Santo, meu primo e grande amigo. Frequentador assíduo da Pipa, principalmente nos veraneios de janeiro, que nunca perdeu nenhum. Gostava de reunir os primos e sobrinhos no alpendre de sua casa, depois de uma pescaria, para tomar uma cachaça de cabeça com peixe frito. O seu passatempo preferido era a pescaria, pois ele amava o mar e tinha nesse esporte a sua plena realização. Dizia ser uma ótima terapia e que não havia melhor maneira de esquecer uma estafante semana de trabalho na Secretaria de Tributação, de onde era funcionário. A pescaria, além de terapêutica, também tinha a finalidade de conseguir o tira-gosto do fim de semana.
























Saía sempre muito cedo, acompanhado dos filhos e alguns sobrinhos. Lá para o meio-dia chegavam orgulhosos com o produto dos belos arremessos que ele fazia com sua longa vara de bambu. Nessa arte era um especialista. Ninguém naquelas bandas conseguia arremessar mais longe que ele. Para chegar a essas distâncias, tinha uma técnica toda especial: deixava a chumbada descansando sobre a areia e com mãos firmes e o corpo um pouco dobrado para trás, lançava a linha em direção ao mar, feito uma catapulta, 150 gramas de chumbada que, atrelada a anzóis espetados em apetitosos camarões, desaparecia de nossas vistas.

Muitas vezes já traziam os peixes tratados, para não perder tempo nem aumentar o serviço de dona Evaneide, sua paciente esposa, que em casa já preparava outros quitutes para quando a turma chegasse. Sempre podíamos contar com um caldinho de feijão verde regado com muito coentro e cebola, e uma paçoca bem batida no pilão, puxada na cebola roxa e na carne de charque, como só ela ainda sabe fazer.
Quando ele aparecia ao longe, caminhando sem pressa, com o seu inseparável molinete, atrelado a uma enorme vara de bambu, bem apoiada no ombro, era o sinal para os que estavam no banho de mar, e que logo mais começaria a “reunião”. Sempre trazia o samburá cheio de barbudos, carapebas, pescadas e mais todos os peixes que, por curiosidade ou fome, fisgassem seu anzol.















OS AMIGOS CLETO, CAFÉ E QUINCÓ

Era um homem feliz, nunca o vi mal humorado... Gostava da vida ao ar livre. Nasceu em Goianinha, no início dos anos trinta, e passou toda a infância e adolescência pelas ruas de barro batido da velha cidade. Gostava de caçar passarinhos, tomar banho de rio, andar a cavalo, enfim, de todas as travessuras próprias dos meninos daquela geração.
Morreu Cleto no dia 17 de janeiro de 1988. Era um domingo e a comunidade fazia os últimos preparativos para a famosa festa de São Sebastião. Estava ele cercado de parentes e amigos, sentado no alpendre da casa de seu companheiro de infância, Paulo Barbalho. A casa de Paulo ficava bem ao lado da sua. Era uma manhã ensolarada, própria do mês de janeiro, e a turma já tinha iniciado os “serviços” na casa em frente, que na época pertencia a Evandro Carvalho. Em seguida, fomos para a casa de tio Paulo. Era muito comum, naquela época, as pessoas começarem a beber na casa de um parente e, quando findava o dia, já tinham passado por diversas casas, numa peregrinação que se repetia por todo o fim de semana.

Em dado momento, Cleto encostou a cabeça no ombro de seu compadre e amigo Rubens Lisboa, que estava ao seu lado, e adormeceu para sempre... Morreu sem sofrer, no lugar de que mais gostava, vestido da maneira que se sentia bem. Na praia se livrava das roupas de trabalho e ficava a maior parte do tempo de calção, como ele gostava. Acredito que para a sua família deve ter sido, pelo menos, confortante saber que seu ente querido deu seu último suspiro nos braços acolhedores de seus amigos. Naquele ano, pela primeira vez, no dia 19 de janeiro, não foi realizada a parte profana da festa do padroeiro. Houve apenas a missa e a procissão, onde o comparecimento foi grandioso. A comunidade da Pipa juntamente com os veranistas lhe prestou a última homenagem, na igrejinha em que tantas vezes compareceu nas festas de São Sebastião. Quanta saudade, “camarada”!... Que Deus o tenha bem junto d’Ele e com todos aqueles saudosos veranistas que, certamente, estão com você.

Pipa, agosto de 2009.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

CONVITE -




















A Presidência em exercício do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, convida Vossa Excelência e Família, para Sessão solene, em que tomarão posse na categoria de Sócio Efetivo, desta Instituição, os integrantes da lista inclusa, devidamente aprovados pela Diretoria.
Saudará os novos sócios, representando este Instituto, o historiador e escritor, Marcus César Cavalcanti de Morais. E, em nome dos empossados, falará o historiador João Felipe da Trindade.
Em seguida, fará o juramento em nome dos Sócios, ora empossados, o historiador e folclorista Severino Vicente, e tecerá outras considerações.
Após, em breve alocução, farão apreciação sobre seus novos livros, os sócios Cláudio Galvão e João Felipe da Trindade, respectivamente.
A sua presença abrilhantará o evento

Natal (RN), Dezembro de 2011

RELAÇÃO DOS NOVOS SÓCIOS


1. AUGUSTO MARANHÃO
2. AURICÉIA ANTUNES DE LIMA
3. CARLOS ADEL TEIXEIRA DE SOUZA
4. CARLOS ROBERTO DE MIRANDA GOMES
5. GEORGE ANTÔNIO DE OLIVEIRA VERAS
6. GILENO GUANABARA
7. HOMERO DE OLIVEIRA COSTA
8. IVAN LIRA DE CARVALHO
9. JAIR FIGUEIREDO
10. JOÃO FELIPE DA TRINDADE
11. JOSÉ ADALBERTO TARGINO DE ARAÚJO
12. LÍVIO ALVES DE ARAÚJO DE OLIVEIRA
13. LÚCIA HELENA PEREIRA
14. LUIZ EDUARDO BRANDÃO SUASSUNA
15. MARCELO NAVARRO RIBEIRO DANTAS
16. MARIA DO PERPÉTUO SOCORRO WANDERLEY DE CASTRO
17. MARIA JANDIR CANDÉAS
18. ODÚLIO BOTELHO
19. ORMUZ BARBALHO SIMONETTI
20. PEDRO VICENTE COSTA SOBRINHO
21. RACINE SANTOS
22. SEVERINO VICENTE
23. UBIRATAN QUEIROZ DE OLIVEIRA
24. UILAME UMBELINO GOMES


Dia 09.12.2011 - 6° feira
Horas: 20:00
Local: Salão Nobre do IHGRN
Rua da Conceição, 622





Jurandyr Navarro
Presidente em Exercício

domingo, 27 de novembro de 2011

A RESSUSCITADA DO CUNHAÚ - ÚLTIMA PARTE

A explicação da presença fabulosa da Ressuscitada de, Cunhaú apareceu depois, correndo toda a região, alacremente comentada pela familia Albuquerque Maranhão, pelos amigos solidários e fiéis.
Anacleto José de Matos, Delegado de Polícia, perseguira teimosamente a uns ladrões de gado, os irmãos Francisco, Antonio e Manuel Cavalcante, que, ajudados por outros manos, bastardos, excediam a profissão, mansa e contínua, do abigeato. Como eram valentes, havia temor em deter-lhes a mania criminosa. Anacleto acabou o domínio dos Cavalcantes que, desmoralizados e furiosos, juraram vingar-se.

A vingança consistira naquela farsa extraordinária. Encontraram uma pobre mulher, moradora no Bujarí, muito parecida com a finada Dona Maria Umbelina. Forjaram toda a lenda, industriando a comedia. Quando passou o perigo para os Albuquerque Maranhão apareceu o pai e a mãe da falsa Ressuscitada, dizendo ambos como se havia dado a história. A pseuda dona Maria ainda, recusou reconhecer o casal que se afirmava seus pais.

Em julho de 1935 conversei com d. Filomena de Medeiros Melo, irmã do sr. José Lúcio de Medeiros, de "Sacramento", em Santana do Matos. D. Filomena sabe toda a tradição, conservando as versões da família do Cunhaú, pelas ligações de amizade com seus antepassados; É neta do tte-cel, Manuel Salustino de Medeiros, que foi a Paraíba depor contra a Ressuscitada. E esse Manuel Salustino foi o segundo sôgro de Anacleto José de Matos, que se casara, depois dos sucessos, com d. Sensata de Medeiros, chamada "Dondom", não havendo filhos. O pai de d. Filomena, minha amável informante, era filho de Joaquim de Araújo Melo e de d. Apolonia Maria de Medeiros (esta irmão de Manuel Salustino de Medeiros). Joaquim de Araújo Melo era íntimo da Casa de Cunhaú e fôra uma das testemunhas mais decisivas para a ínocentação de Anacleto e do Comendador, quando das acusações do assassinato de d. Maria Umbelina.

Joaquim de Araújo Mélo ajudara a colocar d. Maria Umbelina no caixão mortuário e o levara a enterrar na Capela de Cunhaú. Manuel Salustino recordou, no curso do processo, que a fidalga fora sepultada com uma marrafa de tartaruga, ouro e pedrarias, posta na cabeleira, do lado esquerdo. Fizeram uma vistoria, exumando os ossos de dona Maria Umbelína. A cabeleira estava intacta e nela, faiscando, a marrafa de tartaruga, ouro e pedrarias.
A roupa anteriormente descrita por Joaquim de Araújo Mélo como tendo amortalhado o corpo, coincidira inteiramente. Não restava a menor dúvida de que a Ressuscitada de Cu¬nhaú era uma mulherzinha de Bujarí, imaginosa e cheia de atrevimento mentiroso.

Hoje a tradição se mantem. Raros acreditam na simulação. Como haveria de existir uma mulher, naquele tempo, com a fria audácia de enfrentar a mais rica e poderosa família da região, acusando-a de um crime? E como seria possível o conhecimento exato de peculiaridades e minúcias genealógicas, sinais físicos, a mancha rôxa de dona Joana, a cicatriz de Anacleto? E porque este se recusou mostrar, o peito, desmentindo o indício? Como esses irmãos Cavalcantes, ladrões de gado, analfabetos, conseguiriam imaginar essa façanha inaudita, inteiramente nova nos anais das duas Províncias? E essa mulher, humilde, apanhada num bordel, como possuiria desenvoltura, presença de espírito para arrostar os interrogatórios, respondendo a tudo e a todos com serena, impressionante simplicidade?

Outros obstáculos surgem. Conheço o testamento do Comendador. No "testamento", de março de 1802, o Comendador indica, entre suas filhas, dona Maria Umbelína Como d. Maria Umbelina, morta em 1858, estaria viva quatro anos depois? Se o fato ocorreu, há de ter sido posterior a 1862 e antes de setembro de 1865, quando o Comendador faleceu. De março de 1862 a setembro de 1865 é o espaço obrigatório para que tudo haja sucedido. Casamento, namoro, conselho, propinação do veneno, morte, enterro, rapto, ida para o Ceará, falecimento do português duas mancebias, ida para a Paraíba, vida de prostíbulo, conversa com o médico, denúncia, processo, formação de culpa (naturalmente no inquérito policial), viagens, precatórias, vistorias, aparecimento do dr. Amaro Bezerra, volta de todos á calma, viagem da mulher de Bujarí, tudo se teria dado nesse espaço de tempo, sob pena de arredar de cenário a figura indispensável do Comendador. Se d. Maria Umbelina estava viva em 1862, como está provado, Frei Serafim de Catania não a podia encomendar, mesmo se moresse, porque Frei Serafim não estava na região nessa data.

Está uma história confusa, difícil, atraente como uma novela policial.
Quando surge uma tradição como essa é porque existe o material determinador. Jamais lhe fala real no manque, en-sinava Arnald Van Gennep, Porque os Cavalcantes escolheram esse tema da "Ressuscitada"? Já não existiria uma lenda popular, espontânea, negando a morte de d. Maria Umbelina?
É uma lenda. A lenda da Ressuscitada de Cunhaú que haverá de verdade? Ninguém mais poderá responder...

(09.02.1941)

terça-feira, 22 de novembro de 2011

A RESSUSCITADA DO CUNHAÚ- PARTE III



















Durante a narrativa, a "Ressuscitada de Cuntuiú" descrevia, com precisão, o ambiente em que se criara, indicando a vasta parentela fidalga, as ligações genealógicas, aprumada, certeira, impecável. O dr. Rigueira Costa ficou impressionado. Levou o fato ao conhecimento do Presidente da Província da Paraíba, dr. Francisco de Araújo Lima. A história passou ao domínio público, despertando um interesse geral.

A "Ressuscitada" ficou literalmente coberta de presentes, de mimos, de agrados. Exigia-se uma punição severa para a família Albuquerque Maranhão. O Chefe de Polícia informou aos interessados, creio que em caráter particular, Anacleto José de Matos, sopitando a ira, acompanhado pelo Comendador, seu ex-sogro, compareceu à Chefatura de Polícia paraibana. Foram acareados com a mulher. Ambos afirmaram ser a primeira vez que a viam. O Comendador negou firmemente a história maravilhosa. A filha falecera e ainda era chorada por todos. Dona Joana não reconheceu a que se dizia sua filha. Nem mesmo achara uma parecida com a outra.

A "Ressuscitada de Cunhaú" se defendia tenazmente. Enumerava detalhes da casa de sua família, particularidades domésticas, anedotas privadas, desnorteando o auditório. Indicou um sinal roxo, bem visível, que sua mãe teria no alto da perna direita. Anacleto José de Matos tinha uma cicatriz em meia-lua, em cima do mamilo esquerdo. Era vestígio de uma dentada que ela lhe dera em certa ocasião. Rigueira Costa pretendeu, para anular as suspeitas, mandar proceder a um exame em Dona Joana d' Albuquerque Maranhão e em Anacleto José de Matos. Ambos repeliram a idéia com violência exagerada. Autoridades e povo ficavam convencidos de que a "Ressusoitada" era, positivamente, a filha martirizada pela família aristocrática, impiedosa e terrível.

Os amigos, mais íntimos e mais poderosos da Casa Cunhaú, correram em auxílio do Comendador, exposto ao exa¬me coletivo e atormentado pela crítica social e unânime da Paraíba. Dois amigos o tenente-coronel Manuel Salustiano de Medeiros e o dr. Felíx Antônio Ferreira d'Albuquerque, grandes proprietários e agricultores, o segundo ex-deputado provincial no Rio Grande do Norte, foram depor, endossando as negativas feitas e influindo para que a vistoria não fos¬se realizada. O Comendador, furioso pela curiosidade pública e fremente de indignação pelo atrevimento do dr. Rigueira Costa sonhar examinar a respeitavel coxa de dona Joana d'Albuquerque Maranhão, dizia que só depois de passar por cima do seu cadaver.

























AMARO BEZERRA CARNEIRO CAVALCANTE
O processo contra Anacleto José de Matos, acusado de tentativa de uxoricídio, foi iniciado. Toda a família Albuquerque Maranhão, alarmada, movimentou o prestígio, para obstar aquele escândalo sem precedentes.
Surgiu então o dr. Amaro Carneiro Bezerra Cavalcanti, deputado-geral pelo Rio Grande do Norte, casado com dona Maria Cândida, prima do Comendador e irmã de Dona Joana, mãe da "sei disant" "Ressuscitada"_

O dr. Amaro, deputado-geral pela terceira vez era então conservador puro, casado na maloca saquarema legítima e cioso de sua bandeira, Amícissimo do Comendador, que fôra seu "suplente" na Décima Legislatura, vôou em socorro dos seus grandes eleitores.
A situação política era propícia. Estavam dominando os conservadores, com o gabinete presidido pelo Marquês de Olínda Senador Pedro de Araújo Lima. O dr. Amare Bezerra deteve a marcha do processo e fê-lo desaparecer. O dr. José Nicolau Rigueira Costa, o Chefe de Polícia que tanto cuida¬do estava tendo pelas averiguações, foi, imediatamente transferido para o sul.






























PEDRO DE ARAUJO LIMA - MARQUES DE OLINDA
A Ressucitada de Cunhaú desapareceu. Dizem que o dr. Amaro a levou para o Rio de Janeiro. Dizem que a mataram. Dizem que viajou para o norte, com dinheiro dado pelos Albuquerque Maranhão. Nunca mais ouviram falar em sua existencia, centralizadora das palestras durante tanto tempo.
Anacleto José de Matos, que se casou novamente, o Comendador, Dona Joana, os parentes, regressaram, tranquilos, as residências. Dissipara-se o fantasma da "Ressuscitada".

(07.12.1941)

Continua na próxima semana.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

A RESSUSCITADA DU CUNHAÚ – PARTE II

(AS IMAGENS ABAIXO EXIBIDAS SÃO DA BARRA DO CUNHAÚ E VILA FLOR. FORAM COLETADAS DO GOOGLE E FUNCIONAM COM MERA ILUSTRAÇÃO)

Ao médico, e depois ao dr. José Nicolau Rigueira Costa, Chefe de Polícia da Paraiba, a "Ressuscitada" contou sua história espantosa.
Casara sem amor, imposto Anacleto José de Matos pelos pais. O namorado fiel era um português, moço forte, bonito. Anacleto era grosseiro, impulsivo, grotesco. Depois de casada, encontrava-se com o português frequentemente. Um dia o marido surpreendeu-os em palestra intima. Não a matou imediatamente por temer a vingança fulminante dos Albuquerque Maranháo. Procurou o Comendador e narrou a traição de sua filha.




















Antonio d' Albuquerque Maranhão Cavalcanti reunira o "conselho de Família", expondo o enrêdo, denuncia de Anacleto e pedindo sugestões para o bom nome da raça ílustríssima. Discutiram quase uma noite inteira. Dona Maria já estava presa, num quarto, incomunicável, guardada por um escravo, de bacamarte ponteiro.
Uma escravinha de confiança, esgueirando-se pelos corredores achatando-se de encontro as paredes, furou o cerco dos negros fiéis e vôou até o português, dizendo a tragédia.
















Pela madrugada um escravo montou a cavalo e galopou para Vila Flor, para a residência de um parente, levan¬do uma carta. O "conselho de Familia" deliberara suprimir Dona Maria do número dos vivos. Resolvera-se optar pelo veneno porque o corpo seria vestido e visitado, quando ex¬posto no caixão. Convinha, apesar' da onipotência, anular os vestigios de um crime. Deram a Dona Maria Umbelina ordem para que "se encomendasse a Deus, pedindo perdão pelos pecados cometidos." Os Juizes, membros natos desse "con¬selho", eram sem macula de pecado.





CASA DE CÃMARA E CADEIA EM VILA FLOR














Voltando de Vila Flor, onde recebera uma dose de ve¬neno, o escravo foi detido pelo português. E convenceu-se depressa que devia substituir o veneno por um outro pó, igual em côr, que o português lhe entregava ao mesmo tempo que moedas de ouro, sedutoras como uma tentação.




























Dona Maria passou o dia orando mas a escrava vinha pode dizer-lhe o que estava preparado. Tomasse o "veneno" sem susto. O "veneno" foi ingerido ao escurecer. A's trindades, hora em que o sino da Capela soava as três badaladas da "Ave Maria". expirava, suavemente, em seu leito de jacaran¬dá trabalhado, a filha mais moça do Comendador Albuquer¬que Maranhão Cavalcanti.
Tão violento era o veneno que o corpo da morta se enríjou dentro de poucas horas. Vestiram-na, mandando par¬ticipar aos parentes distantes, com os convites para o enter¬ro que seria na manhã seguinte. Estavam com mêdo de uma putrefação rápida. Ainda corre uma reminiscência de que o •cadáver estava podre ao ser sepultado. Era um elemento que a familia fazia circular, apressando a ida para o sepulcro.
Sepultada, Dona Maria voltou a si, alta madrugada, nos braços do português, num galope doído de cavalo robusto se¬guido por dois negros possantes, armados e resolutos.
























Os cavalos levaram a "Ressuscitada" até Barra de Cunhaú onde uma canôa esperava. Remaram para a Baía da Traição, terra paraibana. Aí passaram para uma barcaça porque o português não queria ir para a Paraíba, região cheia de Albuquerque Maranhões, influentes e ousados. O rumo era ao norte.
































E, pela manhã, a barcaça, lentamente, cortou águas, roteiro do Ceará, ajudada pelos ventos que rodavam do sul.
No Ceará, morrera o português, de morte natural. Um soldado airoso, substituíra-o. Ficara morando em Míssão Velha. Indo assistir uma "Festa de Novena" em São José de Piranhas, na Paraíba, apaixonara-se por outro soldado, abandonando o primeiro. Com esse soldado paraibano vivera até que, sendo ele transferido para um destacamento longinquo, não o quizera acompanhar. Decidiu descer para à Cidade da Paraíba.
Era essa a história da "Ressuscitada de Cunhaú". . .

(03.02.1941)







MISSÃO VELHA-CE












-continua na próxima semana-

(Transcrição ipsis litteris do “Livro das Velhas Figuras”)

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

DO LIVRO "A PRAIA DA PIPA DOS MEUS AVÓS"

OS MACEIÓS




















A praia da Pipa desde os seus primórdios convive com um fenômeno natural geográfico que os nativos denominaram de “maceió”. Esse fenômeno é o resultado de correntes marinhas que ao passarem próximas as nossas costas, provocam a migração de grandes bancos de areia localizados ao largo. Esse fato pode ser observado em grande parte do nosso litoral. No caso específico da praia da Pipa, o movimento de areia ocorre com maior intensidade desde a praia do Moleque até a praia do Madeiro. Porém os “maceiós” só ocorrem na praia do Centro. Em determinadas épocas do ano, o movimento dessas correntes retira e repõe grandes quantidades de areias, principalmente nas praias dos Afogados, do Centro e praia do Porto, onde causam maior impacto visual.





A PEDRA DO SANTO EM ÉPOCAS DE ATERRO




















A pedra do Santo, por exemplo, em determinadas épocas do ano, pode se encontrar totalmente aterrada, e a imagem de S. Sebastião, fixada em cima de um pedestal com quase 3 metros de altura, fica ao alcance das mãos de quem passa pelo local. Quando acontecem as marés de cavação, a mesma imagem do Santo pode se encontrar a vários metros da água, modificando extraordinariamente a paisagem. É tanto que algumas pessoas que tiveram a oportunidade de conhecerem o local em determinada época do ano, terem dificuldade para identificar o mesmo local, quando lá retornam em situação inversa.









A PEDRA DO SANTO EM ÉPOCAS DE CAVAÇÃO













Essa grande movimentação de terras já provocou destruição de casas situadas na praia do Centro, por não terem sido devidamente protegidas, como também nas antigas árvores frutíferas, que adornavam toda a orla marítima, principalmente na praia do Centro.
Árvores muito antigas como fruta pão, mangueiras bacuri e espada, e principalmente os centenários coqueiros, foram os que mais sofreram com esses fenômenos. Geralmente nos meses de junho a setembro ocorre a retirada das areias, que os nativos chamam de “marés de cavação”.

A partir do mês de outubro/novembro essas areias, aos poucos e de acordo com o movimento das marés, começam a retornar às praias, aterrando o que havia escavado. Justamente nessas ocasiões é que, de vez em quando, são formados os “maceiós”. Essas formações geológicas ocorrem quando o retorno das areias acontece com maior velocidade, não dando tempo de haver a dissipação uniforme por toda a praia. O acúmulo se faz a partir da ponta do morro principal (morro de Castelo ou Morro da Pipa) onde se inicia a enseada da praia do Centro, visto que as correntes ocorrem no sentido Sul/Norte.

O primeiro registro fotográfico que tenho de um “maceió” na praia da Pipa é da década de 60. Nessa época, esses fenômenos eram bem mais escassos. Tive oportunidade de presenciar no início dos anos 60, um “maceió” que causou espanto aos nativos e veranistas, pois permaneceu de um ano para o outro. Isso ficou gravado em minha mente porque naquela época os veraneios aconteciam, impreterivelmente, nos meses de janeiro e o retorno à praia, só ocorria no ano seguinte.










MACEIÓ NA DÉCADA DE 60









Atualmente os “maceiós” têm ocorrido com mais freqüência. Isso deve-se, possivelmente, as modificações que a natureza vem sofrendo pela ações predatórias e irresponsável dos homens.
Como as casas que ficam a beira-mar, são constantemente assoladas pelas vagas, principalmente nos meses de janeiro e fevereiro, tradicionalmente de marés mais fortes, seus proprietários, na tentativa de proteger suas moradas contra a força das ondas, retiraram do mar grandes quantidades de pedras e as puseram em frente às casas, construindo assim uma espécie de quebra-mar.
Ocorreu que a retirada desse material, apesar de ter beneficiado os banhistas no que se refere a “limpeza” do local de banho, facilitou a chegada das ondas à praia, que sem empecilho, aumentou sobremaneira, a velocidade com que as areias eram depositadas. Quando isso acontece cria-se uma faixa de areia mais alta próxima a linha d’água, que durante a preamar é transposta pelas ondas. As águas sem possibilidade de retornares ficam aprisionadas do outro lado e aos poucos vão formando um grande lagoa que os nativos denominaram de “maceió”.

Essas formações, a princípio, constituem um cenário de rara beleza, onde o mar fica separado dessa lagoa por uma estreita faixa de terra. Enquanto as marés altas estão transpondo essa faixa de terra e irrigando com água nova o “maceió”, as águas permanecem limpas e oxigenadas.Porém, quando ocorrem as “marés mortas”, e as ondas não conseguem vencer a faixa de areia, as águas que se encontram aprisionadas, por falta de oxigenação tornam-se escuras e fétidas.



















A situação tende a piorar se nesse período ocorrerem chuvas, pois a mistura com a água doce que desce das ruas mais altas arrastando grande quantidade de detritos acelera o processo de insalubridade. Isso torna a lagoa um ambiente propício para o desenvolvimento de determinadas algas que para continuarem crescendo, retiram desse ambiente grandes quantidades de oxigênio, o que consequentemente acelera sua putrefação.
Quando isso ocorre, necessário se faz a utilização de máquinas para a abertura de canais unindo o “maceió” ao mar, para que nas marés baixas seja realizado o escoamento das águas estagnadas e nas marés alta sua renovação. Às vezes, essas máquinas são utilizadas também para o aterro dos “maceíos”, pois quando secam deixam uma lâmina de lodo que se não coberto de imediato, exalam forte odor, além de propiciar o aparecimento de moscas e pernilongos.















Porém, se essas providências não forem tomadas, messes depois, a natureza, como sempre, se encarrega de repor tudo nos seus devidos lugares e a praia da Pipa volta a ser o que é de sua natureza: encher os olhos com estonteante beleza aos que tem o privilégio de visitá-la, com a benção de seu padroeiro São Sebastião.
Pipa, setembro de 2011.

domingo, 6 de novembro de 2011

ACTA DIURNA

Muito bem, Ormuz! Parabéns. Você mais um tento em prol da divulgação da nossa cultura! Continuo defendendo que a produção intelectual de funcionário público estadual em órgão público do Estado do RN (A República, jornal extinto) não cabe direitos autorais.

Abs.

Luiz Gonzaga Cortez.

ACTA DIURNA

Parabéns, Parabéns e Parabéns! Ormuz, V. acertou em cheio! "Não é possível crer-se" em tamanha leveza de estilo, nesta e nessas Actas Diurnas, do Câmara Cascudo. Elas são, verdadeiramente, patrimônio inusitado desta Cidade do Natal!

Aguardo "cartas", aguardo Actas!

Tenha um bom domingo! (Junto dos seus, aqueles que lhe são muito queridos)

Abraços,

ENYLDO EGITO

ACTA DIURNA

Caro Ormuz.

Só você pra resgatar esssas memórias adormecidas pelo tempo.
Esse galo faz parte das minhas lembranças de infancia
e eu sempre olhava pra ele, imaginando mil histórias
que poderiam cercar a sua própria história.

Um abraço do amigo
Zezé

ACTA DIURNA

Nobre Ormuz,
Tenho recebido os seus e-mail's a propósito do que você escreve pelo que agradeço penhoradamente a gentileza.
Quanto ao seu livro sobre Pipa, eu diria que se trata de um sucesso anunciado.
Mando-lhe, nesta oportunidade, o último conto por mim produzido, desta feita, montado exclusivamente no Estado do RN.
Um abraço de seu amigo e admirador.
Djaci Ferreira de Souza.

ACTA DIURNA

Ormuz vc.está fazendo um serviço de utilidade pública de alta envergadura
intelectual e cultural. Revivendo a história e LCC. Que o galo do presépio do
Menino Deus cante em seu louvor Ormuz - anunciando forças para vc. continuar
com a vocação para a pesquisa.
Parabéns
Velho Maux

ACTA DIURNA - A RESSUSCITADA DO CUNHAÚ


FOTO GOOGLE - IMÁGEM PARA ILUSTRAÇÃO

Antônio de Albuquerque Maranhão Cavalcanti, senhor de "Tamatanduba" e da "Ilha Maranhão", no Município de Canguaretama no Rio Grande do Norte filho de André d'Al-buquerque Maranhão, Capitão-Mór de Ordenanças de Vila Flor e Arês, e de d. Antônia Josefa, irmã de André d'Albuquerque Maranhão senhor de Cunhaú e Chefe da revolução republicana de 1817, casou com sua prima, d. Joana, filha do tenente-coronel José Inácio d'Albuquerque Maranhão e de d. Luzia Antônia, irmã de sua mãe.

Era Comendador da Ordem de Cristo, e tenente-coronel da Guarda Nacional, no tempo em que os oficiais andavam fardados, de grande gala,nas missas serenas e dominicais. O famoso Brigadeiro Dendé Arcoverde era seu cunhado. O Comendador hospedou dom João da Purificação Marques Perdigão, Bispo de Olinda. Homem rico, imponente, faustoso, mantinha a herança senho¬rial de bem receber e melhor tratar. No biênio de 1858-59 fora deputado provincial no Rio Grande do Norte e suplente de Deputado Geral na décima legislatura, 1857/60. O Deputado Geral era o dr. Amara Carneiro Bezerra Cavalcanti, casado com uma irmã de sua mulher.

Teve quatro filhos. Três mulheres e um homem. Foram: - Antônio, bacharel em 1854, deputado norte-rio-grandense na Assembléia Provincial de 1856-57, falecido, creio, antes do Pai; Luzia Antonia, casada com João Nepomuceno d'Albuquerque Maranhão; Emília, casada com Afonso Leopoldo d' Albuquerque Maranhão e Maria Umbelina, que se casou com o capitão Anacleto José de Matos.

FOTO GOOGLE - BARRA DO CUNHAÚ

O Comendador fez seu testamento a 5 de março de 1862. Morreu a 5 de setembro de 1865, na freguesia de Goia¬ninha. Foi sepultado de casaca, com solenidade, indo a "mú¬sica" de São José de Mipibu para as cerimônias religiosas da Missa de Sétimo Dia.
Esse Comendador, altivo e nobre, cioso do sangue secular, passaria à História oral da região, na lenda da "RESSUSCITADA DE CUNHAÚ".
Sua filha, dona Maria Umbelina casou com Anacleto José de Matos, abastado, dispondo de eleitores, autoridade policial, amigo da "gens" Maranhão. O casamento foi festivo. Anacleto temido pela sua energia, ficava, desta forma, vinculado a uma das famílias mais ilustres do norte brasileiro.

Um ano depois do casamento, 1858, dona Maria Um¬belina morria. Complicações de parto, embora o filho sobre¬vivesse, sadio, O falecimento enlutou toda a redondeza. Veio gente dos municípios vizinhos. Voltou a "música" de S. José de Mipibu para executar trechos fúnebres e comovedores. Frei Serafim de Catania, pregando então em Vila Flor, dirigiu o serviço religioso, acompanhado de imenso povo, contrito.
Sepultaram Dona Maria Umbelina na Capela de Cunhaú junto à porta que dá para a sacristia. A família ficou inconsolável. A defunta pouco saíra da mocidade mais prometedora de encantos.

As Missas, do Sétimo e Trigésimo Dias, foram concorridíssimas. Pregou Frei Serafim de Catania, o Capuchinho prestigioso pela dedicação sem par. Os anos rolaram sem rasto naquela doce solidão tran¬quila ...
Em 1862, na capital da Província da Paraíba numa "pensão" suspeita, adoeceu de febre palúdica uma mulher, dessas de vida alegre, que é a mais triste das vidas. Chamara um médico. O homem compareceu mergulhou na escura camarinha onde a mulher tiritava de frio incontido, examinou-a, voltando à sala para receitar. Perto, interessada pela saúde da companheira, a "dona" esperava os conselhos médicos.
Finalmente, o doutor assinou o receituário, enxugou-o, e disse numa entonação grave:

- Se eu não tivesse assistido, em Cunhaú, no Rio Gran¬de do Norte, ao enterro da filha do Comendador Antônio de Albuquerque Maranhão Cavalcanti, diria que se tratava da mesma pessôa ...
Do quarto, a voz entrecortada pelo acesso da febre, a doente informou, numa serena convicção inabalável:

- E não se enganaria, Doutor. Eu sou Dona Maria Umbelina, casada com o capitão Anacleto José de Matos, e filha do Comendador Antônio d' Albuquerque Maranhão Cavalcanti...

(02.02.1941)

Continua na próxima semana.

sábado, 5 de novembro de 2011

ACTA DIURNA


QUE QUER DIZER “ÁCTA DIURNA”

Luís da Câmara Cascudo


Perguntaram a mim porque dei semelhante título a esta secção. Que quer dizer ACTA DIURNA?
ACTA DIURNA era uma espécie de jornal diário, uma folha onde os acontecimentos do dia eram fixados pelas autoridades de Roma, para conhecimento do povo. Pregavam-na a uma parede num dos edifícios do FORUM.
No ano 131, antes de Cristo, já existia a ACTA DIURNA, informando ao cidadão romano as "novidades" ou diretivas governamentais.
Júlio Cesar, cinquenta e nove anos antes do nascimen¬to de Cristo, tornou a ACTA DIURNA oficial, de aposição obrigatória num determinado logradouro público.
Conservo o título em latim. Por isso aparece o ACTA com a segunda consoante do alfabeto.
ACTA significa, no latim, ações, obras, feitos, façanhas. DIURNA é o que se pratica sob o sol, no espaço de um dia, ou diariamente.
Suetonio, que bem conheceu a ACTA DIURNA, dizia-a efemérides diárias, o registro dos sucessos mundanos, políticos e administrativos, sociais ou literários.
A minha é uma ACTA DIURNA que recorda o pensamento que presidiu meu dia. Fixo a minha impressão diária sobre um livro, uma figura ou um episódio, atual ou antigo.
Dei-lhe batismo latino porque a intenção cultural é honrar o passado, nas suas lutas, alegrias, tragédias e curiosidades. E, se matéria nova aparece, comentada, é ainda o desejo de conserva-la no Tempo para os olhos amigos de alguns leitores fieis, nas páginas tradicionais d’“A REPÚBLICA”, o mais velho dos jornais conterrâneos

Natal, 03 de agosto de 1943

(transcrição ipsilitere do Livro das Velhas Figuras)

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

ACTA DIURNA




O GALO DA TORRE DE SANTO ANTONIO E SEU DOADOR
Luís da Câmara Cascudo


No alto da torre, em volta do poleiro de azulejos, roda e vento doce do galo de bronze secular. Pertence a fisionomia do bairro e possui sua história, relembrada pelos velhos moradores da rua Santo Antonio, ainda em recordação nas palestras sereneiras, noite de lua cheia.
Lourival Açucena dedicou-lhe versos. Creio que não são únicos. Datam de mais de sessenta anos. Vamos ressussitar os versos, que dedicavam os nossos natalenses de outrora.

Caetano da Silva Sanches,
Governador português,
Foi quem aqui colocou-me,
Há mais de um século talvez

Cocorocó! Vou cantando
A minha bela toada,
Louvando com outros galos
A serena madrugada!...

Por todos os quatro ventos
Me vereis sempre emproado. . .
Não tenho “Gogo” e meu canto
Solto bem atenoado!

Cá do alto lobrigado,
Traquinadas do demônio
Vos mandarei telegrama
Da torre de Santo Antonio!...


Esse versinho devem ser posteriores a 4 de agosto de 1878, dia em que se inaugurou em Natal o “telégrafo-elétrico”.
É esse Caetano da Silva Sanches? O “governador português” era natural de Cascais, em Portugal, filho do capitão Francisco da Silva Sanches e de D. Maria Joaquina Sanches. Fez vida militar e era sargento-mór, reformado do Regimento do Recife, ao ser nomeado Governador da Capitania do Rio Grande do Norte, em 12 de agosto de 1791. Efetivado no posto a 27 de março de 1797, ratificada a posse a 7 de fevereiro de 1798, tornou-se muito estimado em Natal.
Casara em Recife com D. Maria Francisca do Rosário Lages, filha do sargento-mór Francisco Gonçalves Lages. Teve dois filhos: Pedro morto ainda criança e Micaéla Joaquina Sanches que se casou com o capitão-mós Manoel Teixeira de Moura.
Quando Caetano da Silva Sanches chegou a Natal já a igreja de Santo Antonio existia. Em julho de 1763 menciona-se, em documentos, em documentos, a rua da Igreja de Santo Antonio. Na fachada principal, por cima da porta, há, muito apagada, a data de agosto de 1766.




O Capitão-mór era devoto de Santo Antonio, santo nacional português. Ajudou por todas as formas, a construção da Torre. Esta ficou terminada em janeiro de 1798.
Em 23 de agosto de 1799, Caetano da Silva Costa Sanches fez testamento. Era um homem robusto e ainda moço. Dele partira a idéia de mandar buscar um galo de bronze e presentear a Igreja, colocando n o cimo da torre, nova e bonita. É um costume europeu e rara é a igreja portuguesa, especialmente do interior, que não tenha o Galo, símbolo de vigilância e de fé, arauto da claridade, Gallo canente spesredit. . .
Havia uma lenda de que o capitão-mór falecera no dia da primeira missa na Igreja de Santo Antonio. Não é possível crer-se. A igreja estava entregue ao culto sagrado, vinte e oito anos antes de Caetano da Silva Sanches chegar a Natal.
No dia 14 de março de 1800 o Capitão-mór falecera de ataque apoplético, estrupor, como se dizia.




Sepultou-se na Matriz, vestindo o hábito de Santo que era o orago da Igreja onde doara o galo de bronze.
Em 1864, nasceram uns arbustos na cúpula da Torre. O Galo ficou cercado de vegetação. Parecia viver e abrir o bico, para o apelo metálico aos seus distantes companheiros de capoeira.
O tempo foi rolando sem maiores sucessos. Na noite de 6 de março de 1897, às oito e trinta e cinco minutos, uma faísca, com trovão atordoador, caiu sobre a Torre de Santo Antonio. O galo ferido pelo choque, ficou dependurado, até a madrugada de 21 de junho, quando despencou e bateu na calçada do templo.
Depois, desapareceu, esquecido, nos desvãos escusos e escuros da igreja. Em janeiro de 1917, um “constante leitor” da A REPÚBLICA lembrou-lhe o exílio e sugeriu descobrimento. Monsenhor Alfredo Pegado, então Governador Geral do Bispado, explicou ter encontrado o Galo, danificado e feio, e o mandou consertar.
E, aos quatro ventos do Setentrião do Brasil, voltou o Galo de bronze, cinco anos depois, desta vez, imóvel e grave, assistindo, do alto da Torre, a ronda melancólica dos anos. . .


República, 15 de outubro de 1939.


A reprodução desta crônica é feita com toda a fidelidade, inclusive
quanto a grafia da época.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

DO LIVRO "A PRAIA DA PIPA DOS MEUS AVÓS"

Saudosas lembranças I

Tenho saudade dos veraneios das décadas de 70 e 80. Vez por outra, pego-me em saudoso devaneio, lembrando-me daquela época. Isso ocorre principalmente quando vejo a praia sendo tão maltratada por aqueles que teriam a responsabilidade dela cuidar. As falésias, invadidas pelas pousadas, estão pontilhadas de cano de esgoto, propiciando aos que por ali passam uma triste visão e a sensação de que estamos perdendo a guerra contra esse tipo de pessoa. Em alguns pontos os canos são bem visíveis. Indicam que ali não se tem nenhum respeito pela natureza nem pelo próprio lugar onde se vive com a família.


Quando vejo aquele pequeno pedaço de praia, que com certeza é a menor do Brasil, sem espaço para os banhistas, apinhada de sombrinhas e de vendedores, causa-me um extremo desconforto. É um verdadeiro mercado persa, onde se vende todo tipo de mercadoria, desde alimentos, de duvidosa higiene, a roupas, artesanatos e, ultimamente, mais uma modalidade de exploração comercial: o aluguel de cadeiras e sombrinhas. A desorganização é total. Não existem regras para nada, ou pelo menos não as percebemos. As sombrinhas de praia tomam conta de toda a pequena orla. Os comerciantes do local, no afã de ganhar mais dinheiro, invadem o pequeno espaço que os banhistas têm para se locomover, chegando a ponto de colocar as sombrinhas até dentro d’água, acompanhando a vazante da maré. E tudo isso sob os olhos complacentes do poder público, que nada faz para modificar essa situação.


Tenho saudade, sim, daqueles veraneios de outrora, quando podíamos andar pela praia sem termos que nos deparar com esse tipo de situação. Não quero, com isso, dizer que sou contra o progresso, principalmente aquele que traz benefícios à população. Todavia, sou terminantemente contra o progresso a qualquer custo – aquele que é feito sem o mínimo planejamento, desorganizado, poluidor e destruidor, que passa por cima de tudo e de todos, contanto que atinja seus objetivos mercantilistas.
De uns tempos para cá, o lema na Pipa constitui-se em: dinheiro e lucro a qualquer custo!


Tenho saudade de quando andava pela praia pisando na areia branca que, de tão alva e macia, dava vontade de se deitar. Ainda posso ouvir o rangido fino que ela produzia quando pisávamos com mais força ou então quando corríamos sobre ela. Quantas vezes, depois de uma noite de “serenatas”, ficávamos a conversar até alta madrugada naquela areia... Por vezes, dormíamos ali mesmo. Não tínhamos medo, pois não havia motivo para tal. Até o final da década de 80 não me lembro ter acontecido na Pipa qualquer fato que envolvesse violência. Era comum pessoas dormirem em suas casas com as janelas abertas, sem nenhum receio. E como era bonito acordar bem cedinho e olhar os botes ancorados no porto! Naquele seu indolente balançar. Quando os primeiros raios do sol surgiam por cima do morro do Cruzeiro, revelavam toda a exuberância de um pedacinho da Mata Atlântica, naquele tempo, totalmente preservada. Infelizmente não posso dizer o mesmo nos dias de hoje. Basta dar uma olhada à noite para ver o foco das luzes dentro da mata que cobre o morro, para que se percebam as construções que lá existem. Irregulares? ... Não sei!


Quantas vezes eu vi a amanhecença naquela areia, contemplando a imensidão do oceano iluminado pelos primeiros raios do sol... Logo era invadido por uma profunda paz de espírito, como se sentisse a presença divina. A contemplação da natureza em todas as suas formas nos propicia esse estado de paz e bonança com o Criador.
Sim, tenho muita saudade das noites dormidas nos alpendres, das brincadeiras de dar “nó de jabá” no punho das redes dos mais descuidados ou dos incautos “visitantes”. Os namorados das nossas primas eram os nossos principais alvos. Alguns dos rapazes mais afoitos, além de darem o famigerado nó, colocavam a rede de volta nos armadores e, com o peso de seu corpo, arrochavam o máximo que podiam. Depois, ainda urinavam em cima para que o infeliz não pudesse usar os dentes para desatá-lo. Que maldade! O coitado tinha que se arrumar lá pela areia da praia e, certamente, amanhecia o dia sem pregar olhos.
Essa era a Pipa dos anos dourados. Ocorreu-me agora a lembrança dos versos de uma música do poeta Dorival Caymmi, eterno apaixonado por sua terra. Diz muito da Pipa daquela época, do tempo da beleza, talvez do tempo da delicadeza.


[...] É quando o sol vai quebrando, lá pra o fim do mundo pra a noite chegar
É quando se ouve mais forte o ronco das ondas na beira do mar
É quando a cansaço da vida, da lida obriga João se sentar
É quando a morena se enrosca, se chega pro lado querendo agradar
Se a noite é de lua, a vontade é contar mentiras, é se espreguiçar
Deitar na areia da praia que acaba onde a vista não pode alcançar
E assim adormece esse homem que nunca precisa dormir pra sonhar
Porque não há sonho mais lindo do que sua terra, não há
(Dorival Caymmi)


Pipa, junho de 2009.