quarta-feira, 30 de março de 2016

DISCURSO DE POSSE NO IHGRN – 2016/2019-


                                                               “A memória guardará o que vale a pena. A memória sabe de mim mais do que eu; e ela não perde o que merece ser salvo (...)”

                                                             (Eduardo Galeano, escritor uruguaio, falecido em 14 ABRIL DE 2015)

Na importância deste dia, afloram, inevitavelmente, emoções represadas em minha vida. Comparo ao dia no qual assumi, os quadros funcionais do Banco do Brasil, em São Paulo, Capital, no distante ano de 1972, o meu primeiro emprego.   

Naquele inesquecível instante, tive a exata dimensão das grandes responsabilidades que teria pela frente. Primeiro, de estar iniciando minha vida profissional, em uma cidade grande, enfrentando sozinho, todos os problemas que certamente viriam com aquelas mudanças. E, para minha surpresa, elas chegaram bem mais cedo do que eu esperava.
        
Poucos dias após ter assumido, fui surpreendido com a notícia do repentino falecimento de meu pai. Naquele momento de incertezas e grande fragilidade, perdia abruptamente meu referencial de vida, meu esteio, meu chão.

Para meu pai, aquele momento seria a sua grande felicidade, como anteriormente havia proclamado: com você não me preocupo mais. Sua vida está resolvida.
        
Pois bem, é com esse espírito de grandes desafios que assumo hoje, juntamente com uma equipe de abnegados e valorosos colaboradores, 44 anos após aquele fatídico episódio, a grande responsabilidade de conduzir, por um período de três anos, o destino da mais antiga Instituição cultural do nosso Estado, e por que não dizer, uma das mais antigas e respeitadas do nosso país denominada de CASA DA MEMÓRIA, na feliz inspiração do mestre/confrade Luís da Câmara Cascudo.
      
Apesar de ser sócio efetivo desta Casa há vários anos, passei a frequentá-la com mais assiduidade, após o falecimento do seu antigo presidente Enéliode Lima Petrovich, que a presidiu pelo longevo período de 48 anos ininterruptos, e a assunção do vice presidente Jurandyr Navarro, que chegou à presidência da Instituição por força do Estatuto, na condição de vice-presidente. Porem deixou bem claro, desde o início, que iria concluir apenas aquele mandato.

Para isso, teve que renunciar à presidência da Academia de Letras Jurídicas do Rio Grande do Norte - ALEJURN, órgão que idealizou e ajudou a fundar com um grupo de colegas, no dia 8 de dezembro de 2008.
        
Pela mesma contingência, o confrade e amigo Odúlio Botelho assumia a presidência da ALEJURN, e passamos a frequentar esta Casa, quase que diariamente, com o objetivo de, discretamente, ajudar o presidente Jurandyr, naqueles momentos de importantes dificuldades que passava a Instituição.
      
  
Nesse curto e profícuo período de gestão, o presidente Jurandyr Navarro, por quem tenho especial admiração, promoveu importantes reformas, entre elas, a que modificou o estatuto vigente, que datava de 1927, adaptando-o ao atual Código Civil. Para isso, nomeou uma comissão compostas de três sócios efetivos, presidida pelo jurista e confrade Dr. Carlos Roberto de Miranda Gomes, tendo como seus auxiliares nessa honrosa missão os confrades, Ormuz Barbalho Simonetti e João Felipe Trindade. Consagrado no dia 2 de maio de 2012, após dois meses de estudos e discussões, através de uma Assembleia Geral, foi aprovado por unânimidade, com as alterações propostas e já adaptado ao novo Código Civil. Em 10 de setembro do mesmo ano, recebeu registro no 2º Ofício de Notas desta Capital.
         
Em uma das muitas conversas que tivemos com o presidente Jurandyr, ele confidenciou-me suas preocupações quanto à sucessão. Como não tinha pretensões de concorrer nas eleições que já se aproximavam, mostrou-se bastante preocupado quanto ao destino desta Augusta Casa, pois apesar de ter convidado vários confrades para esse mister, não tivera êxito em convencer nenhum deles na difícil missão de substituí-lo na condução da CASA DA MEMÓRIA.
     
  
Tal preocupação nos levou a reunir alguns sócios do Instituto Norte-rio-grandense de Genealogia, instituição que idealizamos e ajudamos a sua fundação no ano da graça de 2009 e naquela ocasião era seu presidente, para discutir esse importante assunto que também nos preocupava enquanto cidadãos e principalmente sócios efetivos.
       
Após algumas reuniões no escritório do Dr. Carlos Gomes, chamamos a responsabilidade para nós e decidimos que formaríamos uma chapa para concorrer na próxima eleição, para que aquela respeitada Instituição Cultural não caísse em mãos de quem não tivesse realmente compromisso de superar a situação difícil em que se encontrava.

Com a concordância dos confrades convidados, e a promessa de todos que trabalharíamos incessantemente para a sua recuperação, definimos os nomes que posteriormente comporiam a diretoria eleita para o triênio que hoje se encerra, após ter cumprido com êxito sua missão.
        

Para compor essa diretoria, procuramos alguns abnegados dentro da Instituição que presidia, pois já fazíamos um trabalho voluntário e desafiador. Sabemos das enormes dificuldades em gerir uma instituição cultural nesse país, imaginem senhores, criá-la, mantê-la viva e funcionando. Além do mais, poucos são aqueles que se submetem a doar seu precioso tempo para a realização de algum trabalho, sem que sejam devidamente remunerados.
        
Conseguimos enfim formar o corpo da chapa, porém precisávamos de um presidente que tivesse bom trânsito nos diversos setores de nossa sociedade. Essas características nos ajudariam a abrir portas, pois tínhamos o exato conhecimento dos graves problemas que iríamos enfrentar, caso fossemos eleitos.
       

Como se tratava de Instituição CULTURAL, - é público e notório que cultura em nosso país é uma atividade extremamente mendicante - pouca valorizada e sempre relegada a segundo plano, principalmente por aqueles que dela têm o dever de cuidar, assim sendo, precisávamos de alguém com essas características.  
         
Foi quando o confrade Carlos Gomes, já definido na chapa como Secretário Geral, lembrou-se do nome do presidente do Tribunal de Contas do Estado, o conselheiro Valério Mesquita, que naquela ocasião estava se aposentando compulsoriamente daquela Casa, seria a pessoa que já comprovara competência em cargos equivalentes, anteriormente ocupados, bem como partícipe importante do movimento cultural do Estado.
   
    
Não exitei, pois como já o conhecia de atividades literárias, fui procurá-lo pessoalmente. Depois de vários convites e igual número de recusas, por fim, rendeu-se aos apelos daquele grupo de idealistas, que estavam dispostos a abrir mão de várias obrigações diárias e doar grande parte de seu tempo e até mesmo de seus recursos financeiros, em favor daquela que orgulhosamente dizemos ser a mais antiga instituição cultural do Estado do Rio Grande do Norte.
         
Portanto, meus amigos e confrades, ao assumir a presidência deste templo, tenho a plena consciência dos desafios que teremos a enfrentar, principalmente por se tratar de um ano nebuloso e cheio de incertezas, como este que se inicia.         
         
O Brasil, como já disse anteriormente, é um país que deixa em segundo plano tudo que se refere à cultura e não demonstra respeito ao que foi construído no passado, olhando atravessado para sua própria história.
         
Um país que não preza o seu passado, nunca haverá de se orgulhar de seu presente e certamente não terá um grande futuro. E somente nós, enquanto cidadãos, podemos modificar esse quadro triste a que está submetido o nosso povo e o nosso país.
         

No início desta gestão, pleiteamos, a duras penas, agindo de forma republicana junto aos senadores potiguares, emendas parlamentares no valor de R$ 500.000,00, (quinhentos mil reais), com nossos deputados R$ 430.000,00 (quatrocentos e trinta mil reais) e através de emenda da vereadora Júlia Arruda mais R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais), perfazendo um total de R$ 1.330.000,00. Com esses recursos pretendíamos realizar a maior e mais ousada reforma que clamava nossa instituição. Tínhamos pressa, pois uma boa parte do nosso acervo já mostrava claros sinais de impossibilidade em sua recuperação. Somente com a aquisição de modernos scaners para realizar a tão sonhada digitalização do acervo, prevíamos um gasto em torno de R$ 350.000,00 (trezentos e cinquenta mil reais).
        
Do total de R$ 1.330.000,00, R$ 430.000,00 estavam sob a responsabilidade do governo estadual. Os outros recursos, ou seja, R$ 900.000,00, perderam-se nos escaninhos da burocracia. Apenas R$ 230.000,00 chegaram efetivamente às nossas contas de convênio e de maneira fatiada, o que dificultou ainda mais a economia em sua aplicação, na realização dos serviços. Tanto é que os últimos R$ 30.000,00, emenda do Deputado Vivaldo Costa, conseguimos seu repasse já no atual governo a quem muito agradecemos. Como também agradecemos ao secretário de Educação Sr. Francisco das Chagas Fernandes, que garantiu a manutenção do convênio firmado com a ex-secretária Betânia Ramalho, no valor de R$ 218.000,00 destinados à aquisição de modernas estantes deslizantes para a guarda e segurança do nosso acervo, e que já se encontram em nossa Casa, aguardando apenas a recuperação do salão, onde as referidas estantes deverão ser instaladas.
         
E foram com esses parcos recursos, ou seja, R$ 230.000,00 que administrados com mão de ferro, conseguimos recuperar importantes áreas do prédio principal, que vinham se deteriorando há vários anos, inclusive ameaçando a segurança de sócios, funcionários e usuários.
         
Iniciamos os serviços por aquela que seria a obra mais urgente: a substituição do piso do Salão Nobre que a cada ano afundava mais e mais, sem que providência alguma fosse adotada.
         
O piso, que era composto por ladrilhos hidráulicos, tipo palatnik, como era conhecido, nome dado em homenagem ao seu fabricante, Bras Palatnik, judeu russo que chegou a Natal por volta de 1915, e iniciando a fabricação dos tais ladrilhos somente no ano de 1922, portanto 16 anos após a construção do prédio do IHGRN que é de 1906. Essas informações foram colhidas do livro NATAL, UMA COMUNIDADE SINGULAR, no capítulo “A era dos Palatnik”, dos autores Egon e Frieda Wolf. (a disposição no acervo do IHGRN)

Por Conseguinte, como sempre defendi, o piso que foi substituído NÃO ERA ORIGINAL. Quando surgiram as primeiras publicações na imprensa, proveniente de denúncia anônima, gerou muitos comentários irresponsáveis e ilações levianas com relação a minha pessoa, tanto na imprensa escrita como nas redes sociais, por ser eu o administrador da obra. E, como desdobramento, sofremos a interdição dos serviços pelo IPHAN, por um período superior a 6 meses o que significou sensível majoração no custo final da referida obra.

Nos dois últimos serviços realizados no salão nobre, para esconder seu precário estado de conservação, os ladrilhos foram cobertos com carpete, material sintético e impróprio para aquele local.
         
Impróprio também o piso que foi colocado na sala da presidência, no hall de entrada e na ante-sala do lavabo, nessas duas últimas os ladrilhos Palatnik foram cobertos com paviflex, outro revestimento sintético e também impróprio para aqueles locais.
        

Na reforma que fizemos nos pisos, foram utilizadas madeira de lei, que obedecendo ao desenho da arquiteta e paisagista Aleniska Lucena, aprovada pelo IPHAN, alternou-se a cor escuro sóbrio do ipê com o amarelo cetim, numa paginação de excelente bom gosto, propiciando um novo visual, tanto no salão nobre com no hall de entrada, este último tendo recebido na composição do desenho e na execução, algumas peças do ladrilho ali existentes que conseguimos, com muita dificuldade, sua parcial recuperação, preservando-se, assim, para sempre aqueles ladrilhos. Com a finalidade de guardar a memória do mesmo piso existente no Salão Nobre, fizemos no Largo Vicente de Lemos a mesma amostragem com algumas peças também recuperadas, num painel medindo 2,00m por 1,5m.

Já no Salão Nobre, colocamos cortinas novas, recuperamos a iluminação e os móveis ali existentes, birô, púlpito e mais seis cadeiras que compunham o belo e centenário conjunto de móveis e ganhamos um lustre clássico, por liberalidade do Dr. Paulo Sérgio Luz. As cadeiras em particular, foram recuperadas por profissional de comprovada competência que utilizou, por nossa exigência, nesse verdadeiro trabalho de artesão, o mesmo material que foi utilizado originalmente em sua confecção, ou seja: o couro de boi. Algumas delas, de tão estragadas, já se encontravam no prédio anexo, em local destinado ao descarte.
         
Adquirimos para o Salão Nobre, 80 poltronas acolchoadas e escamoteadas, que facilitam a escrita quando necessário. Ao decidirmos pela aquisição dessas poltronas, já prevíamos que no futuro, seriam utilizadas nesse espaço, para a nobre missão de alfabetizar jovens e idosos, pois enquanto instituição cultural, não podemos nem devemos ignorar aqueles infelizes, que por motivos diversos a vida lhe negar essa oportunidade. Tal pleito levamos ao Secretário Francisco Fernandes que foi simpático a ideia e já recebemos uma representante da Secretaria de Educação e Cultura para iniciarmos os primeiros estudos.
            
Fomos presenteados pelo SEBRAE, através de seu presidente José Carlos Melo, com dois sistemas de ar condicionado tipo split, que naquela ocasião estavam sendo substituídos, em virtude de reforma no prédio. Esses splits, embora usados, estavam em perfeito funcionamento e chegaram em boa hora, pois o ar condicionado presente no Salão Nobre, há muitos anos não funcionava.      
         
Recuperamos portas, portais, janelas, paredes internas e externas, grades externas, sistema elétrico, este de tão danificado ameaçava a qualquer momento um curto circuito com danos imprevisíveis. Recuperamos o sistema hidráulico, hidro-sanitárioe, por fim, o telhado que envolveu todo o sistema de calhas e escoamento correto das águas pluviais. Em dias de chuva muito forte, por várias vezes tivemos que mudar rapidamente parte do acervo, uma vez que as inúmeras goteiras ameaçavam estragar, para sempre, peças de valor inestimável. 
         
Adquirimos e instalamos nos dois prédios moderno sistema de segurança, pois tanto o anexo, como o prédio principal, vinham sendo sistematicamente alvo dos marginas que habitam a Praça André de Albuquerque.
        
Foram instalados diversos alarmes sensoriais e câmeras para monitoramento, presencial e a distância, que nos propiciou maior segurança na guarda dos nossos prédios e consequentemente do acervo.
         
Realizamos também pintura geral no prédio principal e pintura externa no anexo, este também um prédio histórico, que foi gentilmente doado, observe os senhores o que eu acabo de afirmar: prédio doado, pela nossa sócia benemérita num ato de extremo desprendimento e benevolência, senhora Angélica Timbó, aqui presente, para quem peço comovido e agradecido, uma salva de palmas. Quiçá, esse exemplo seja seguido por outras Angélicas!!
         
O prédio doado, também tombado pelo patrimônio histórico e cultural a nível federal, outrora abrigou a família do inesquecível professor Celstino Pimentel, a quem faço uma homenagem nesse instante, responsável pela formação de várias gerações de homens e mulheres de nossa sociedade.
         
Recuperamos os jardins do Largo Vicente de Lemos, inclusive instalando um sistema automático de irrigação que tem propiciado aos que por ali trafegam, além de uma agradável visão do colorido das diversas flores em seu desabrochar diário, o convívio com as famílias dos beija-flores, bem-te-vis, sanhaços e outros habitantes alados que ali encontraram um refúgio seguro em meio ao vai e vem de homens e carros que passam pela desprezada e não conservada Praça André de Albuquerque, sem se darem conta da importância daquele logradouro histórico, pois foi nesse local que a 25 de dezembro de 1599, nascia a nossa querida cidade de Natal.
        

Conseguimos junto à Secretaria de Mobilidade Urbana - SEMOV - através da Dra. Elequicina Santos - a demarcação de espaço em frente ao prédio principal, destinado a embarque e desembarque de visitantes, principalmente alunos dos diversos colégios que constantemente nos visitam, evitando, assim, acidentes indesejáveis.
         
A retenção determinada pelo governo anterior do restante dos recursos pactuados, ou seja, R$ 230.000,00 (duzentos e trinta mil reais), nos deixou numa situação aflitiva e impediu da realização de dois importantes projetos: primeiro, de iniciar a digitalização do nosso acervo, única maneira de preservar para o futuro o que nós temos de mais precioso e a construção de um lavabo destinado à pessoas do sexo feminino, em observância à legislação vigente, que determina a dotação de sanitários para ambos os sexos, em todos os prédios públicos.
         
O nosso importante acervo, razão maior da existência dessa centenária Instituição, está com uma parte desse material irremediavelmente perdido, justamente pela ausência de manutenção de qualquer natureza e principalmente por anos a fio de acondicionamento inadequados.
        
Em matéria que publiquei na imprensa em dezembro de 2014, onde fazia uma prestação de contas à sociedade da nossa administração, naquela ocasião eu já perguntava: até quando os poderes constituídos e a sociedade em geral vão permitir que a Casa da Memória continue com seu acervo nessa vergonhosa situação de penúria?- e nesse momento em que assumimos a presidência dessa instituição, continuo a perguntar: onde estão os hoje bem sucedidos profissionais liberais, mestres, doutores, que outrora se valeram do seu rico acervo, para estudar, quando não tinham como adquirir os livros, que aqui os encontravam gratuitamente?
         
Esqueceram de lembrar desse velho casarão que há anos pede socorro para proteger o mesmo acervo que um dia manteve seus sonhos e pretende continuar ajudando a manter os sonhos de tantos outros como vocês?
         
Todos nós continuamos a desfraldar a mesma bandeira erguida pelo Presidente Valério Mesquita e dispostos a dar continuidade do sonho que sonhamos juntos. O presidente Valério passa a ser, a partir de hoje, a exemplo do presidente Jurandyr, presidente honorário vitalício, com plena condição de continuar ajudando nessa administração que ora se inicia. Esse certamente é um acontecimento inusitado, pois nunca antes na história dessa instituição, tivemos ex-presidentes vivos. Espero sinceramente que eu também um dia possa fazer parte desse honroso quadro, de ex-presidentes vivos.
         

O principal legado que deixa esta administração, sob o comando do Presidente Valério, nesses últimos três anos, é a estrada bem pavimentada que construiu para nós outros, ora diretores eleitos, pudéssemos trilhar um caminho em busca de melhores dias para essa Instituição.
         
Temos recursos assegurados pela Assembleia Legislativa do Estado, por iniciativa do Secretário-Geral Dr. Carlos Augusto Garcia de Viveiros, para iniciarmos a tão sonhada digitalização do nosso acervo. E ainda a possibilidade de aprovação de verba anual para ajudar na manutenção e conservação dos prédios do IHGRN.

Todas essas medidas sob a recomendação e a aprovação do seu presidente Deputado Ezequiel Ferreira de Souza, também um grande parceiro nessa luta pela recuperação da Casa da Memória, como já o fizera o Deputado Ricardo Motta, presidente anterior. Nessa legislatura, foram destinados recursos no valor de R$ 200.000,00 através de emenda coletiva dos deputados Ricardo Mota, José Dias, Tomba Farias, George Soares e Dison Lisboa e mais R$ 40.000,00 (quarenta mil reais) de emenda individual do deputado Hermano Morais a quem agradecemos a todos os gesto de apreço com a cultura em nosso estado.      

O sucesso da administração que hoje se encerra, e que tenho orgulho de ter participado como seu vice presidente, foi a divisão das responsabilidades administrativas por cada diretor. No meu caso, fiquei responsável pelo planejamento, execução e administração das obras realizadas.
         
Porém o que realmente fez a diferença foi a assiduidade da equipe nas reuniões diárias. Isso nos permitiu a proatividade na identificação dos problemas e, consequentemente a busca imediata por soluções.
         
Termino minha fala com uma importante citação do consagrado Cervantes e renovada pelo saudoso Dom Helder Câmara sonho que se sonha só é só um sonho. Mas sonho que se sonha junto, torna-se realidade.
         
Portanto senhoras e senhores, nosso sonho que é compartilhado por toda esta diretoria e por aqueles que acreditam em nossa administração: transformar o IHGRN num dos mais modernos e bem equipados Institutos Históricos do Brasil.    
Muito Obrigado/

CONCLUIDO O MEU DISCURSO DE POSSE, CONVIDO A DIRETORIA ELEITA PARA APRESENTAR O COMPROMISSO LEGAR.


Nenhum comentário: