quinta-feira, 23 de maio de 2013

DE VOLTA AO PASSADO VII – ANTIGOS BLOCOS CARNAVALESCOS – Parte II


         Os blocos ditos “de elite” a princípio desfilavam em caminhões. As carrocerias eram estilizadas com desenhos de motivos carnavalescos onde pierrôs, colombinas e arlequins, personagens símbolos dos carnavais, sempre eram retratados. Confetes, serpentinas e lanças perfumes, davam um tom de alegria, às figuras retratadas por todos os espaços das alegorias.   
Com maior destaque e em local bem visível vinha o nome da agremiação. Para animar os foliões, contratavam uma pequena orquestra, ao contrário dos blocos dos anos 50, onde a maioria dos instrumentos musicais eram tocados pelos próprios componentes.
         Fazia parte desses carnavais os famosos “assaltos”, que se constituíam em visitas que os blocos faziam nas residências, geralmente de familiares ou de amigos dos componentes, previamente acertada com os donos das casas selecionadas. Nos “assaltos” os foliões eram recebidos com muita bebida e salgadinhos. Lembro-me particularmente de um desses salgadinhos. Composto por uma azeitona, um rodela de salsicha e um cubo de queijo, tudo enfiado em um palito, era servido em grandes bandejas ou espetado em uma melancia ou jerimum envolto em papel alumínio. Era conhecido pelo pitoresco nome de “sacanagem”. 
A orquestra tocava pelo menos duas horas, com intervalo para descanso. Nessas ocasiões os promotores do “assalto” convidavam amigos e parentes para fazerem parte da festa. Quando a alegoria parava em frente à residência que ia ser visitada, logo a frente da casa se enchia de curiosos que acorriam ao local para também, mesmo que do lado de fora, participarem da festa.
                                        
               Daquela época recordo ainda do bloco Bacurinhas. Arnoudzinho, amigo e colega de madrugadoras caminhadas na Avenida Rodrigues Alves, que fez parte do bloco por vários anos, me ajudou no garimpo de alguns de seus componentes. Foram fundadores: Dozinho compositor do hino, deputado Márcio Marinho e Décio Holanda, de saudosas memórias, os irmãos Euzébio (galego) e Manoel Maia, Ronaldo e Márcio Brilhante Fernandes, Marconi Lima (filho do deputado estadual João Aureliano de Lima) e Alcindo (dentista). Outros componentes que participaram do bloco no decorrer dos anos: os irmãos Daniel, Gilberto e Antônio Lira, Manoel e Henrique Gaspar, Jussier e Roberto Trindade Santos, João (Galinha) e Manoel (Mano Frango), Dantas, Edmundo e Fred Aires (figurinista de destaque entre as socialites da época, Bentinho (mago Bento) Manoel Otoni (Baba), ex-prefeito de Goianinha  e seu irmão Alfredinho Otoni de Lima, Manoel, Clementino (Biliu) e Luiz Martins da Silva, Antônio (Tota), contador conhecido nas décadas de 70/80, Nilton, João, Dantas, Zélio, Peninha, mais dois irmãos cujos nomes não recorda, sendo um deles, oftalmologista com consultório próximo da Maternidade Januario Cicco, João Maria Galiza, Alcindo, Gley Fernandes Gurjão e outros.

         Posteriormente, o caminhão foi substituído por carroças puxadas por trator, mais fácil de se conseguir nas fazendas da região, e com a vantagem de ser mais baixa que a carroceria do caminhão, facilitando assim o embarque e desembarque tanto na ocasião dos “assaltos”, como quando desfilavam no “corso” na Avenida Deodoro. Outra grande vantagem foi que as quedas, embora raras, quando ocorriam, não resultavam em maiores danos, ao contrário das ocorridas de cima das altas carrocerias dos caminhões.   
  
         Nesse período, as cidades de Ceará-Mirim e Goianinha eram as mais visitadas pelos presidentes dos blocos, pois sendo área canavieira, a facilidade para conseguir os tratores e carroças, era bem maior. A antiga Usina São Francisco, atualmente Companhia Açucareira Vale do Ceará-Mirim, na época de propriedade do saudoso Roberto Varela, sempre autorizava o empréstimo desses equipamentos para os blocos. Outros tratores e carroças também se conseguiam em fazendas de familiares dos próprios componentes ou de amigos. 
         A orquestra, considerada o coração do bloco, tinha lugar reservado na frente da alegoria. Geralmente era composta por seis a oito músicos, assim distribuídos: Um sax baixo, um sax tenor, dois trombones, um de vara e outro de pistão, um surdo, um tarol e uma caixa. Lembro-me de um soldado da polícia militar de cognome Marimbondo, apelido que ganhou por ter a pele do rosto avermelhada, era disputado pela maioria dos blocos, pois além de ser responsável pela orquestra que formava com componentes da banda de música da policia militar, era exímio trompetista. Sempre que o bloco iniciava seu desfile pelas ruas e avenidas da cidade ou quando à noite entrava no “corso” na Av. Deodoro, lá estava Marimbondo caminhando na frente do bloco. Com ares de Pavarotti, andar cadenciado, bochechas vermelhas e inchadas prestes a estourar, apertava a boquilha do clarim de encontro aos seus lábios, e arrancava do instrumento as mais belas notas musicais, na introdução da marchinha Zé Pereira, anunciando a entrada do bloco no “corso”, a chegada ou saída das casas “assaltadas”.
                  Esses blocos se multiplicaram e em cada bairro ou turma de colégio surgia uma dessas agremiações. Cito alguns que me chegam à lembrança: Escandalli, Penetras, Lord’s, Deuses, Apache, Plebe, Jardim de Infância, Kings, Lunik, Jardineiros, Colônia Pinel, Saca-Rolha, Ressaka e outros que me fogem da memória.
        










Um comentário:

Augusto disse...

Memória prodigiosa . Um verdadeiro banco de dados vivo, resgatando este "revival" da vida cotidiana de Natal com maestria, precisão e uma riqueza de detalhes copiosamente rica. Parabéns mais uma vez, Ormuz.