quarta-feira, 9 de outubro de 2013

SOBRE O CORTADOR DE CANA ANTONIO MOSSORÓ. DO LIVRO "OITEIRO" MEMÓRIAS DE UMA SINHAZINHA-MOÇA de MAGDALENA ANTUNES.


                                         ENGENHO OITEIRO - CEARÁ-MIRIM RN





...Um dia, porém, depois de mais de trinta anos ininterruptos no ofício de cortar cana, não os braços, mas as pernas lhe faltaram. Quis levantar-se e não pode. Estava paralítico. E era de ser ver a sua tortura, quando o engenho apitava pela manhã, não podendo ele acudir ao seu chamado. Então, escorregava da tipóia, e ia se arrastando pelo chão até a porta do casebre, tapado de bagaço de cana e ficava na soleira a olhar os companheiros que passavam de foice às costas, para o canavial. Não chorava. O homem do campo não chora. Pegava a foice, alfange que impelido pela força de seu braço decepara centenas de partidos da preciosa gramínea e beijava-a, aconchegando-a no coração que soluçava...
E não suportando mais a vida, morreu, uma ano depois, abraçado ao instrumento de seu trabalho.

             

Morreu de esmola, esfarrapado, faltando-lhe, por vez, até a "candéia de gás" para iluminar-lhe as últimas noites de angustia. Só as estrelas e o céu azul não lhe negaram o amparo de seu brilho cotidiano.

               
                                                         Imagem Gibson Alves Machado

Antonio Mossoró! Cooperador incansável de Oiteiro! Devo à Divina Providência a graça dos auxílios que lhe foram prestados em nome do engenho que ele tanto amou e engrandeceu com a tenacidade de seu trabalho.


              


Sua dedicação ficar-me-á na alma como o contínuo farfalha do canavial, música que o Antonio Mossoró tanta amava e cuja lembrança me faz pedir perdão a Deus pelo gozo dos bens que me foram outorgado, graças ao esforço alheio tão mal compensado.


Nenhum comentário: